22 de dezembro de 2014

Lição 13

O TEMPO DA PROFECIA DE DANIEL
Texto Áureo II Ts. 2.3 – Leitura Bíblica Dn. 12.1-13


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Nesta aula estudaremos o último capítulo do livro de Daniel, sendo esse uma sequência dos episódios preditos no capítulo anterior. O tema será o tempo do fim, isto é, o cumprimento cabal das profecias de Daniel na Septuagésima Semana. Inicialmente explicaremos o que significa a expressão “tempo do fim” no texto profético. Em seguida, nos voltaremos para as características do “tempo do fim”. E ao final, mostraremos quando acontecerá “o tempo do fim”, e suas implicações para o futuro da igreja.

1. O TEMPO DO FIM
O tempo do fim descrito por Daniel, e explicado por Jesus em Mt. 24, e diz respeito a um período de tribulação, marcado por alguns sinais, dentre eles, engano religioso, guerras, terremotos, pestilências, apostasia, perseguição, esfriamento do amor, além da pregação do evangelho do reino e o aparecimento do anticristo. Esses sinais não antecedem o arrebatamento da igreja, considerando que esse poderá acontecer a qualquer momento (I Co. 15.50-54), mas a manifestação de Cristo em glória, quando virá para livrar Israel dos seus inimigos (Mt. 24.30). Esse “tempo do fim” terá uma duração de sete anos, e está em consonância com Dn. 9.27, que faz referência à Septuagésima Semana, e também com os eventos descritos no livro do Apocalipse (Ap. 6-18). Trata-se, portanto, da grande tribulação, que acontecerá “naquele tempo” (Dn. 12.1). Nesse período o anticristo se levantará, dirigido pela força de Satanás, querendo ser adorado (II Ts. 2.3,4). Consoante ao que antes foi revelado, ele ira blasfemar contra Deus e perseguir os santos do Altíssimo (Dn. 7.25; 11.45). Esse anticristo é revelado em Ap. 13.8 como a besta que emerge do mar, sendo adorada por todos aqueles que não têm o selo de Deus. Muitos cristãos, certamente aqueles que ficaram ou se converteram durante a tribulação, serão perseguidos (Ap. 13.7). O foco desse período estará sobre Israel, que será perseguida pelo anticristo e defendida pelo arcanjo Miguel, pois a igreja já terá sido arrebatada, para se encontrar com o Senhor nos ares, para celebrar as bodas do cordeiro (I Ts. 4.13-17; Ap. 19.7,8). Acontecerá nessa ocasião a ressurreição daqueles que morreram em Cristo, esses subirão para estar com o Senhor, tomando parte na primeira ressurreição (Dn. 12.2), sendo essa distinta da segunda ressurreição, que acontecerá após o Milênio para a condenação (Ap. 20.12,13).

2. CARACTERÍSTICAS DO TEMPO DO FIM
Daniel não compreende algumas coisas reveladas, por isso recebe a orientação para “cerrar” o livro, essa palavra dá ideia de “preservar” (Dn. 12.4). É dito ao profeta que nos últimos dias “a ciência se multiplicará”. A palavra conhecimento, daat em hebraico, diz respeito à revelação das verdades divinas. A multiplicação desse conhecimento está nas Escrituras, no texto apocalíptico do Novo Testamento. A igreja dispõe de uma revelação mais ampla nos dias atuais, considerando o que já foi ensinado por Jesus, Paulo e João a respeito das coisas futuras. A mensagem profética está disponível para a igreja, para tanto precisamos atentar para os escritores sacros que foram movidos pelo Espírito Santo, para nos trazer uma revelação que ilumina e traz esperança (II Pe. 1.19). Se atentarmos para a palavra profética, não seremos enganados, como está acontecendo com muitas pessoas, por desconhecerem a Palavra de Deus. Sabemos, pela revelação da Bíblia, que o tempo do fim será de angústia para Israel (Mc. 13.19), isso porque o sol escurecerá ao nascer (Is. 13.10; Zc. 14.7; Ap. 19.17). A lua se tornará em sangue, os céus e a terra serão abalados (Is. 24.20). É justamente nesse tempo que acontecerão guerras, fomes, pestes e terremotos marcantes; inquietação mundial, com os homens desmaiando de terror (Lc. 21.26), e pelejas com vistas à destruição de Israel (Ap. 16.12), que culminará com a vinda de Cristo, para como Rei dos reis e Senhor dos senhores (Ap. 19.16).

3. QUANDO ACONTECERÁ O TEMPO DO FIM
Deus é o Sujeito da revelação, somente podemos saber aquilo que Ele decidiu nos revelar, especialmente através do Seu Filho (Hb. 1.1,2). As pessoas que não se interessam pelas verdades de Deus ficarão à mercê do engano. Mas os sábios, isto é, aqueles que se voltam para as Escrituras, compreenderão o “tempo do fim”. A sabedoria nesse contexto não está circunscrita ao conhecimento intelectual. Isso porque aqueles que recebem essa revelação de Deus, em relação ao cumprimento do tempo fim, deverão também buscar a santificação. (Dn. 12.10). Aqueles que se acham sábios aos seus próprios olhos, e entendidos no raciocínio humano, não serão capazes de discernir o tempo de Deus (Mt. 11.25,26). A tribulação terá início no arrebatamento da igreja, se prolongará por sete anos, tendo seu auge nos últimos três anos e meio, comumente denominada de Grande Tribulação, e findará com a vitória triunfal de Cristo. A respeito desse período Jesus afirmou que se esses dias não tivessem sido abreviados nenhuma carne se salvaria (Mt. 24.22). Ao final, a mensagem para Daniel é: “Tu, porém, vai até o fim; porque repousarás e estarás na tua sorte, no fim dos dias” (Dn. 12.13). O profeta deveria viver sua vida normalmente, e certamente chegaria o dia da sua morte, mas isso não deveria ser motivo para perder a esperança. De igual modo, a igreja de Jesus Cristo não pode se deixar contagiar pela onda de desespero do mundo (Jo. 14.1,2). Os crentes tessalonicenses estavam angustiados, por não saberem o que aconteceria no futuro. Por isso Paulo escreveu-lhes uma epístola, a fim de despertá-los para a esperança e conforto do evangelho (I Ts. 4.23-17). Como crentes em Cristo, devemos viver a vida dentro da normalidade, mas debaixo da revelação de Deus, na expectativa do cumprimento da bendita esperança (Tt. 2.13).

CONCLUSÃO
A revelação profética tem uma dimensão ética para os cristãos, aqueles que se voltam para mensagem do que acontecerá nos últimos dias não podem viver de qualquer jeito. Isso porque qualquer que tenha essa esperança deve purificar a si mesmo, assim como Ele é puro (I Jo. 3.3). Sendo assim, deixando todo embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, Autor e Consumador da nossa fé (Hb. 12.1,2)

BIBLIOGRAFIA
SILVA, S. P. da. Daniel: versículo por versículo. Rio de Janeiro: CPAD, 2013.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

14 de dezembro de 2014

Lição 12

UM TIPO DO FUTURO ANTICRISTO
Texto Áureo I Ts. 2.3 – Leitura Bíblica Dn. 11.1-36


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje retornaremos ao tema do anticristo, a partir da análise do império grego, com destaque para a figura de Antíoco Epifânio. Inicialmente mostraremos como o império grego se tornou proeminente. Em seguida, analisaremos historicamente o papel de Antíoco Epifânio, que viria a perseguir o povo de Deus. Ao final desta lição nos voltaremos para o anticristo, àquele que haverá de vir, e que é revelado por Jesus em Mateus, por Paulo e João em suas epístolas, e no Apocalipse.

1. A PROEMINÊNCIA DO IMPÉRIO GREGO
Neste capítulo 11 o anjo que apareceu a Daniel no capítulo anterior continua a mostrar-lhe a revelação do futuro (Dn. 11.2). Através desse descortinamento o Senhor demonstra Sua soberania, e que está no comando da história. Como caiu o grande poder da Babilônia, cairia também os reinos da Pérsia, que seriam suplantados pelo império grego. Daniel recebe a revelação a respeito de quatro reis persas (Dn. 11.1,2), que sucederiam a Dario, o medo, e de um governante que apoiaria uma disputa contra a Grécia. Os três reis mencionados são Cambises II (530 a. C.), Gautama (522 a. C.), e Dario I (522 – 428 a. C.). O quarto rei é Xerxes (486 – 465 a. C.,), sendo esse o mais rico (Et. 1.4). Nos versículos 3 e 4 há uma alusão a Alexandre, tendo esse se tornando o grande imperador grego. Ele morreu prematuramente aos 33 anos, decorrente de uma vida dissoluta, regada bebedeira e vaidade, após ter conquistado praticamente todo o mundo conhecido. Posteriormente Daniel mostra vários reis da Síria e do Egito (Dn. 5. 2-20), em um processo de alternância entre as duas forças da época. Nos versículos 21 a 35 Daniel descreve um rei sírio bastante perverso, referência a Antíoco IV, que conquistou o poder por volta de 175 a. C., aos 40 anos de idade, tendo reinado por onze anos, até 154 a. C. Ele deu a si mesmo o título de Epifânio (o ilustre), ainda que o povo o denominasse de Epimanes (o louco). Como costumam fazer alguns governantes, conduziu seu governo com tramas maquiavélicas, recorrendo à astúcia, crueldade e intolerância. Ele foi conduzido ao império através de intrigas e adulação (Dn. 11.21), fazendo guerra contra os ptolomeus do Egito (Dn. 11.22) e alianças com inimigos (Dn. 11.23).

2. ANTÍOCO EPIFÂNIO, UM TIPO DO ANTICRISTO
Antíoco Epifânio é considerado um tipo de anticristo por causa do seu confronto direto aos israelitas (Dn. 11.28,30). Ele odiava o povo de Deus, certamente por causa da oposição que fazia ao seu governo. Por isso profanou o templo e fez cessar os sacrifícios diários (Dn. 11.31). Teve a audácia de levantar um altar pagão no templo e mandou sacrificar um porco no altar e borrifar o sangue no templo. Ainda que tenha conseguido o apoio de alguns judeus apóstatas, a maioria deles resistiu à violência (Dn. 11.32). Muitos homens de Deus se levantaram contra aquele império, ensinando as Sagradas Escrituras (Dn. 11.33). Por causa do compromisso com a Palavra, alguns deles foram executados pelo império (Dn. 11.35). A política humana, quando centrada em determinadas pessoas, é capaz de destruir vidas inocentes. A Bíblia não respalda a obediência cega às autoridades, muito pelo contrário, devemos antes obedecer a Deus do que aos homens (At. 5.29). No caso dos cristãos, esses estão no mundo, mas não são do mundo (Jo. 15.17), por isso devem pagar impostos (Mt. 28.17-21), e respeitar as autoridades, com vistas à vivência coletiva (Rm. 13.1-7). Por isso devemos orar pelos governantes (I Tm. 2.1,2), obedecer às leis, considerando inclusive o direito de defesa (I Pe. 2.13). Retornando ao assunto de Antíoco Epifânio, após um momento de perseguição intensa contra os judeus, o sacerdote Matatias o resistiu, dando início a guerra dos Macabeus. A partir dos versículos 36 a 45 Daniel passa a retratar um governo satânico, o do próprio anticristo, que haverá de vir, do qual Antíoco Epifânio era apenas um tipo.

3. O ANTICRISTO QUE HAVERÁ DE VIR
O anticristo que haverá de vir é comumente designado como escatológico, isso porque ele se manifestará no futuro. De acordo com o texto de Daniel, esse será um homem extremamente perverso (Dn. 11.36-39), totalmente dependente das suas forças políticas (Dn. 11.38,39). Como fez Antíoco Epifânio na antiguidade, o anticristo também perseguirá os israelitas, de forma sanguinária (Dn. 11.40-44). Por fim esse anticristo será derrotado (Dn. 11.45), sugerindo que o próprio Deus derrotará o anticristo (II Ts. 2.8). Esse anticristo escatológico é o homem da iniquidade de II Ts. 2.3,4. Conforme já estudamos em Dn. 9.27, no contexto das setenta semanas, o anticristo estabelecerá uma aliança com o povo de Israel, rompendo-a posteriormente. Esse episódio acontecerá no desdobramento da Tribulação, a respeito da qual se referiu Jesus, em Mt. 24.15, e por Paulo em II Ts. 2.3-12. O livro do Apocalipse descreve esse período, no qual haverá um governo tripartido, essa a razão do número 666, que significa número de homem três vezes (Ap. 13.5). Para João esse anticristo, cujo espírito já opera entre nós, é o mentiroso e a besta (I Jo. 2. 18-22; Ap. 13.1). Para Paulo ele é o homem da iniquidade (II Ts. 2.3), o iníquo (II Ts. 2.8), o filho da perdição (II Ts. 2.3). Para Jesus, esse homem é o abominável da desolação (Mt. 24.15-28). O prefixo anti é grego e significa oposto, por isso ele se colocará contra Cristo, e todos aqueles que O seguem. A origem desse anticristo é satânica (Ap. 13.2) e do mundo (Dn. 7.8). Mas seu governo não durará para sempre, pois a tríade satânica será lançado no fogo (Ap. 19.20), por ocasião da vinda de Cristo em glória (II Ts. 2.8).

CONCLUSÃO
Antíoco Epifânio, e todos aqueles que governam se opondo a Deus, são anticristos. Todos eles prefiguram ou tipificam um reino futuro que será cruel e totalitário. Isso acontecerá por ocasião da septuagésima semana de Dn. 9. E coincide com os acontecimentos descritos por João no livro do Apocalipse. O governo do anticristo, e dos seus adeptos, passará, somente Deus governará para sempre. A destruição desse reino por Cristo é a segurança da igreja, que pode confiar no Deus que está no comando de todas as coisas.

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. Daniel. São Paulo: Hagnos, 2005.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

9 de dezembro de 2014

Lição 11

O HOMEM VESTIDO DE LINHO
Texto Áureo Dn. 10.5 – Leitura Bíblica 10.1-14


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na lição de hoje atentaremos para a visão recebida por Daniel, uma revelação que descortina o futuro da humanidade. Inicialmente enfatizaremos a visão do céu, em seguida, que essa foi a resposta para a oração de Daniel, e ao final, o propósito dessa visão. Mostraremos ao longo da aula a importância de nos voltarmos para a revelação de Deus, e a segurança no futuro que Ele mesmo planejou para nós. Por que Ele vive, podemos ter a certeza de que nosso futuro está em boas mãos.

1. UMA VISÃO CELESTIAL
Conforme já estudamos em lições anteriores, Daniel é um homem de oração e também de estudo da palavra. O coração desse profeta está voltado para o seu povo, por isso ele se derrama em lágrimas pela nação (Dn. 10.2). Nos dias atuais, precisamos de homens e mulheres, que do mesmo modo que Daniel, e também o profeta Jeremias, sinta dores pelo povo. Vivemos uma época marcada pelo individualismo, as pessoas não sentem mais as dores do outro. No que tange ao cristianismo, trata-se de uma deturpação dos princípios da fé, pois esse, pela própria natureza, nos chama a nos alegrar com os que se alegram e chorar com os que choram (Rm. 12.14,15). Dizem que homem que é homem não chora, mas o próprio Jesus chorou por causa da incredulidade das pessoas, e pranteou sobre Jerusalém (Jo. 11.35). Será que nós estamos sentido as dores daqueles que sofrem? Às vezes nos preocupamos apenas conosco, no máximo com nossas famílias, mas esquecemos dos outros, principalmente dos que não conhecemos. Daniel jejuou pelo seu povo (Dn. 10.3,12), demonstrou está comprometido com o avivamento da sua nação. Ele ocupou cargos importantes nos reinos aos quais pertenceu, mas não vendeu a sua alma, muito menos se esqueceu do seu povo. Há pessoas que buscam cargos públicos, mas não assumem que esse é um ministério, um serviço para os bem das pessoas, não para o enriquecimento ilícito. Foi no contexto da oração, da compaixão por Israel que Deus deu uma visão através de um anjo (Dn. 10.4-6). A manifestação daquele anjo, que para alguns se trata do próprio Cristo, esclarece Daniel em relação ao futuro, trazendo-lhe discernimento (Dn. 10.7-12). A revelação trouxe quebrantamento ao profeta, isso mostra que a revelação não serve apenas ao intelecto, e também não deve se restringir à emoção, precisa nos despertar para uma mudança de foco, uma percepção diferenciada de Deus.

2. A REVELAÇÃO DE DEUS PARA O FUTURO
Depois da oração Daniel recebeu uma resposta imediata de Deus, isso aconteceu porque o profeta se humilhou diante do Senhor. Muitos querem receber revelações de Deus, mas não se quebrantam perante Ele. Somente os que têm contato íntimo com o Senhor podem desfrutar dos seus mistérios. Daniel recebeu uma revelação em relação ao futuro, fatos que abarcavam toda a história da humanidade. Inicialmente houve uma tentativa de resistência pelo rei da Pérsia (Dn. 10.13), uma alusão a Satanás que pode se disfarçar em anjo de luz (II Co. 11.14). Isso revela a existência de uma guerra espiritual, não podemos imaginar que estamos restritos ao mundo físico, como querem defender alguns céticos. A nossa luta não é contra a carne e o sangue, mas contra os principados e potestades das regiões celestes, por isso devemos estar equipados com toda armadura de Deus (Ef. 6.12). Deus providenciou um ajudador para Daniel, o arcanjo Miguel que defendeu o povo de Judá (Dn. 12.1). Não podemos afirmar com certeza se o homem vestido de linho, que se revelou a Daniel era o próprio Cristo. Alguns estudiosos, com base em Ap. 1.12-2 e Ez. 1.26 afirmam que essa foi uma teofania, uma manifestação do próprio Deus. Fato é que diante da visão Daniel perdeu as forças, não teve como permanecer de pé (Dn. 10.8). Esse anjo de Deus conforta Daniel, ao ser tocado por ele, é maravilhoso saber que podemos contar com o auxílio de anjos (Hb. 1.14). Eles não devem ser adorados, pois não passam de espíritos ministradores (Ap. 22.8,9), mas podemos pedir a Deus que nos proteja através deles (II Rs. 6.17). O anjo confortou Daniel, de igual modo, somos confortados pela Palavra de Deus, nada poderá nos resistir, se Deus é por nós, que será contra nós (Rm. 8.31,32).

3. O PROPÓSITO DA VISÃO DO CEÚ
O objetivo central da visão dada a Daniel foi confortá-lo, e mostrar que Deus está no comando das nações, e que o futuro a Ele pertence. Estamos em um mundo marcado por valores satânicos, o diabo e seus anjos estão pelejando contra a igreja. As potestades do mal querem se opor a verdade do evangelho. Mas não podemos perder as forças, assim como aconteceu com Daniel, devemos nos dobrar diante da revelação do Senhor. Não podemos perder o senso de espanto diante das grandezas das revelações. Quando Deus se revela, devemos reconhecer nosso pecado, como aconteceu com Isaias (Is. 6), bem como nossas limitações, como fez Jó (Jó. 42). O propósito da revelação é perceber a grandeza de Deus, e ao mesmo tempo, nossa pequenez. Ninguém deve se arvorar das revelações que recebeu de Deus, nem mesmo Paulo pode fazê-lo, pois recebeu um espinho na carne, para que não se gloriasse (II Co. 12.7). A revelação de Deus através dos dons espirituais, ou da Palavra de Deus escrita, objetivam nosso amadurecimento. Ninguém deve se gloriar por causa das revelações que recebeu de Deus, antes deve agir com temor e tremor. O Deus que tocou Daniel está disposto também a nos tocar, Ele diz que somos amados e que escuta nossas orações (Dn. 10.11,12). Nada angustia tanto o homem moderno que o sentimento de desespero. Somos tentados, diante da imensidão do universo, a pensar que não passamos de um grão de areia. Mas Deus se interessa por cada um de nós (Sl. 8.4), Ele nos ama e O provou na cruz (Jo. 3.16). O fato dEle nos amar, serve de estímulo para que abramos nossas bocas e declaremos Seu amor ao mundo (Dn. 10.16,17). Esse amor divino nos dá audácia para declarar os seus feitos, e perder o medo, pois é Ele que nos diz para não temer (Dn. 10.19).

CONCLUSÃO
Não temos motivos para desânimo, mesmo quando os dias parecem ser tenebrosos, ainda que os governos estejam contrários à Palavra de Deus. O Senhor está no comando da história, ao Seu tempo haverá de julgar com reta justiça. O poder das trevas está em plena expansão, cegando o entendimento dos incrédulos (II Co. 4.4). Mas isso somente durará para sempre, devemos continuar orando, e clamando a Deus para que venha o Seu reino, e agindo para que as forças do mal não prevaleçam. Que Deus em Cristo nos abençoe com toda sorte de armas espirituais (II Co. 9.8; 10.3-5).

BIBLIOGRAFIA
IRONSIDE, H. A. Estudos sobre o livro de Daniel. Diadema: Depósito de Literatura, 2007.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

30 de novembro de 2014

Lição 10

AS SETENTA SEMANAS
Texto Áureo Dn. 9.24 – Leitura Bíblica 9.20-27



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito das Setenta Semanas determinadas para o povo de Deus. Esse é um assunto bastante interessante, que desvela o futuro da nação judaica, e sua relação com a história da humanidade. Mas antes de conhecermos essas semanas, faz-se necessário refletir sobre a oração. A revelação das Setenta Semanas é resultado da oração do profeta, que demonstrou interesse em conhecer os desígnios de Deus.

1. A INTERCESSÃO DE DANIEL
Daniel não desprezava a oração, em 586 a. C., quando fora levado ao cativeiro babilônico, o profeta se dobrou diante do Senhor, orando ainda na adolescência, juntamente com seus amigos (Dn. 2.17,18). No capítulo 9 de Daniel, identificamos uma das orações mais importantes da Bíblia. Deus havia decretado que o período do cativeiro duraria setenta anos (Jr. 25.8-11; 29.10-14), o profeta percebeu dois anos antes que seria o momento de orar pela libertação da sua nação. Daniel é um exemplo para todo homem e mulher de Deus a fim de equilibrar o estudo bíblico com a oração. Alguns crentes se dedicam bastante à oração, não perdem esses trabalhos, mas se distanciam da escola dominical. Outros, não atentam para a oração, se afastam do altar, ainda que frequentem os estudos bíblicos. Esses extremos são perigosos, podem levar os cristãos ao intelectualismo ou emocionalismo. Atentemos, pois para a vida de oração do profeta Daniel, principalmente no que tange à intercessão. Ele se apressou em rogar a Deus pelo Seu povo, para que o Senhor revelasse os tempos determinados para Israel. A oração de Daniel tem características instrutivas para todo cristão. Ele adora a Deus, não busca apenas as mãos, mas sobretudo a face de Deus (Dn. 9.4). Nestes tempos essa é uma verdade que precisa ser reforçada. Nossas orações refletem nossos interesses, crentes egoístas fazem orações centradas no eu. O profeta sabe que Deus é misericordioso, por isso clama ao Senhor para que perdoe os pecados do povo (Dn. 9.9). Daniel faz uma confissão dos pecados da nação, destacando a transgressão da lei (Dn. 9.11). A oração de Daniel é motivo de estímulo para orar pelo arrependimento das pessoas deste país. É pouco provável que tenhamos uma nação evangélica, considerando que a fé é pessoal. Mas esperamos que as pessoas se convertam dos seus pecados, e que o arrependimento as aproxime de Deus.

2. A RESPOSTA À ORAÇÃO DE DANIEL
Deus responde a Daniel, mostrando o que haveria de acontecer com Seu povo. No capítulo 9 o profeta recebe do Senhor uma revelação das Setenta Semanas, mensagem que se encontra registrada em Dn. 9.20-27. A resposta vem por meio de um anjo (Dn. 9.21), o mensageiro de Deus, por nome de Gabriel. Inicialmente o mensageiro fala a respeito do Messias que viria no futuro, trazendo bênçãos para a nação (Dn. 9.24,25). Daniel é reconhecido como um homem amado no céu (Dn. 9.23), certamente por causa da sua vida piedosa. A revelação das Setenta Semanas começa com a descrição do Messias, o Ungido de Deus (Dn. 9.25). A obra do Messias também é ressaltada pelo anjo, que haveria de trazer a solução para o pecado (Dn. 9.24). Esse Messias, consoante ao que conhecemos hoje pela Bíblia, é o Senhor Jesus Cristo, nEle se cumpriram as profecias. Justamente como está registrado nos evangelhos, Ele foi rejeitado entre Seu povo (Dn. 9.26), levando-O à morte. Daniel também é esclarecido quando a destruição de Jerusalém (Dn. 9.26). Isso aconteceu várias vezes, em uma delas Vespasiano cercou a cidade, destruiu o templo e dispersou os judeus. Mas uma promessa de triunfo do Messias também consta na mensagem (Dn. 9.27). A vitória do Messias aconteceu na cruz, quando Cristo derramou o Seu sangue, para a remissão dos pecados (Mt. 26.28). Conforme enfatiza o autor da Epístola aos Hebreus, Ele foi sacrificado uma vez por todas (Hb. 7.27). Essa revelação também aponta para o anticristo, o pequeno chifre do capítulo 7 de Daniel. Esse é a assolação, o homem a quem Paulo denomina de o homem da iniquidade (II Ts. 2.8). Gabriel explica para Daniel que setenta semanas estão determinadas para Israel. Essas semanas podem ser divididas em três períodos de sete: um primeiro período de sete; o segundo período de sessenta e dois e o terceiro período que é a septuagésima. Assim, são 7 + 62 + 1 = 70.

3. O FUTURO DE ISRAEL REVELADO A DANIEL
As Setenta Semanas de anos de Daniel compreendem 69 semanas de anos / 7 anos em cada semana / 360 dias por ano, fazendo um total de 173.880 dias. Em 5 de março, 444 a. C., através do decreto de Artaxerxes para a reconstrução de Jerusalém(Ne. 2.1-8) x 173.880 dias = 30 de março, 33 d. C., quando acontece a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém (Lc. 19.28-40). Desse decreto até a entrada triunfal do Messias, totaliza 69 semanas de anos, sendo esse crucificado, encerrando o período determinado para Israel, e iniciando a era da igreja. Segundo alguns historiadores, o Messias teria sido tirado em 3 de abril de 33 d. C., e a cidade e o templo destruído em 6 de agosto de 70 d.C. A verificação desses tempos pode ser assim contabilizada: 444 a. C a 33 d. C. = 476 anos. Em seguida 476 anos x 365.2421989 dias = 173.885 dias, acrescentando 25 dias entre 5 de março (decreto de Artaxerxes) e 30 de março (a entrada triunfal do Messias, total de 173.880 dias. O fundamento para os anos de 360 dias é Dn. 9.27, e os 1.260 dias de Apocalipse 11.3 e 12.6. A expectação da igreja é pelo arrebatamento, que acontecerá repentinamente, sem sinais antecedentes. Depois do arrebatamento, após a metade da primeira semana, ou seja, três anos e meio, o anticristo se revelará, consoante ao que está revelado em Ap. 13, a besta perseguirá o povo de Israel, trazendo sua marca 666. Esse será o início da denominada Grande Tribulação, na qual o anticristo exigirá adoração, exigindo ser reconhecido como deus. Conforme identificamos no capítulo 19 de Apocalipse, Cristo virá em glória, como Rei dos reis e Senhor dos senhores, para pelejar contra a Besta, na batalha do Armagedom.

CONCLUSÃO
A igreja do Senhor não passará pela Semana Setenta, pois ela aguarda com esperança o arrebatamento (I Co. 15.51,51). Sabemos que nem todos dormiremos, mas transformados seremos todos, a trombeta soará, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro (I Ts. 4.13-17). Essa é uma mensagem de consolo, não temos motivo para desespero, o mundo teme o fim das coisas. Jesus disse que nós não deveríamos nos atribular, antes confiar na Sua palavra, pois ao Seu tempo, virá para buscar a Sua igreja, para estar junto dEle (Jo. 14.1).

BIBLIOGRAFIA
LAHAYE, R., HINDSON, E. (Orgs.) Enciclopédia popular de profecia bíblica. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

24 de novembro de 2014

Lição 09

O PRENÚNCIO DO TEMPO DO FIM
Texto Áureo Dn. 8.19 – Leitura Bíblica 8.1-11



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
O capítulo 8 de Daniel tem relação direta com os capítulos 2 e 7, mas diferentemente daqueles capítulos, estudaremos, nesta lição, que o profeta foi transportado em espírito até Susã, e também através do tempo. O caráter da revelação de Deus, consoante ao que estudaremos nesta lição, vai além da dimensão espaço-tempo. Na aula de hoje atentaremos inicialmente para as visões de Deus a Daniel, com ênfase no carneiro, o bode e o pequeno chifre. Mostraremos, ao final, que essas visões são prenuncio do tempo do fim, que alimentam a esperança da igreja.

1. A VISÃO DO CARNEIRO
A visão dada por Deus a Daniel aconteceu na história, no terceiro ano do rei Belsazar; em Susã, que era capital do reino da província de Elão, junto ao rio Ulai. A maioria dos estudiosos defende que essa não foi uma viagem literal, mas um translado espiritual, o profeta teria sido conduzido em espírito àquele lugar. Susã era uma cidade importante, mesmo depois da queda da Babilônia, isso porque os reis medo-persas habitavam naquela localidade três meses por ano. As visões dadas ao profeta apontam para o tempo do fim (Dn. 8.17), ao tempo que fora determinado por Deus para o desfecho de todas as coisas (Dn. 8.19), em dias distantes daqueles vivenciados por Daniel (Dn. 8.26). Nessa visão é revelado a Daniel o surgimento de um rei que é o protótipo de Anticristo, alguém que prefigura aquele que no futuro assim se manifestará. Inicialmente é preciso destacar que esse pequeno chifre do capítulo 8 é diferente daquele do capítulo 7. O anticristo do capítulo 7 é escatológico, ele emergirá do império romano, enquanto que o anticristo do capítulo 8 sucederá os quatro reis da queda do império grego. Diante da grandeza da revelação Daniel cai por terra, perdendo os sentidos, com o rosto por terra. Nessa visão Daniel trata a respeito de um carneiro, que aparece de três maneiras diferentes, com dois chifres (Dn. 8.3,20), descrevendo o império medo-persa, que sucederia para conquistar a Babilônia. O chifre mais alto descreve o poder dos persas, consolidado através de Ciro, o persa, que tomou o lugar de Dario, o medo. Esse carneiro descrito por Daniel é irresistível (Dn. 8.3,4), e que se engrandeceu (Dn. 8.4). Isso porque nenhuma força daquele tempo seria capaz de se opor ao governo medo-persa.

2. A VISÃO DO BODE
O bode da visão de Daniel revela um dos maiores governos da época antiga, trata-se de Alexandre o Grande, também denominado de Magno. Ele conquistou todo o mundo conhecido rapidamente (Dn. 8.5,21). Essa visão explicita o que historicamente é constatado em relação à história dos gregos. Alexandre expandiu o reino grego em pouco mais de dez anos, para isso destruiu o governo medo-persa. Em 334 a. C., Alexandre atravessou o estreito de Dardanelos e derrotou os sátrapas. Não muito tempo depois, em 333 a. C., derrotou Dario III na batalha de Issos. Em 331, venceu as forças medo-persas na batalha de Baugamela. Esse seria um líder poderoso, atestado na revelação de Daniel (Dn. 8.5). Por isso é descrito como “o chifre notável”, considerando sua disposição para a guerra. O profeta antecipa as vitórias de Alexandre sobre o império medo-persa (Dn. 8.6,7). Mas esse reino, como todos os outros que já passaram, também terá o seu fim. Daniel aponta para sua ruina (Dn. 8.8), destacando que esse governo findará em decadência. Alexandre morreu repentinamente em 323 a. C, justamente no momento que pretendia reconstruir a cidade da Babilônia. Em consequência da sua morte, o império grego foi dividido em quatro partes, para quatro reis, sendo eles Casandro (Macedônia e Grécia no ocidente), Lísimaco (Trácia e Bitínia no norte), Ptolomeu (Palestina, Arábia e o Egito, no sul), e Selêuco (Síria e Babilônia no oriente).

3. O PEQUENO CHIFRE
Em seguida Daniel reporta um pequeno chifre, conforme já destacamos anteriormente, diferente daquele do capítulo 7. Esse é apenas um protótipo daquele, prefigura sua atuação que será mais intensa no futuro. O pequeno chifre do capítulo 8 é descrito a partir da sua procedência (Dn. 8.8-22). Ele se origina do bode, que é o império grego, advindo, portanto, do império de Alexandre. Para nós, os conhecedores da história, esse pequeno chifre é conhecido, ainda que não o fosse para Daniel. Ele é um precursor do anticristo que se revelará no tempo do fim. Não podemos deixar de destacar que muitos anticristos já existiram, e muitos outros existem ou existirão (I Jo. 2.18). O pequeno chifre do capítulo 8 é reconhecido historicamente como Antíoco IV, chamado de Antíoco Epifânio, que reinou na Síria, entre 175 a a63 a. C. Como a maioria dos impérios humanos, se destaca pelo sentimento megalomaníaco (Dn. 8.11,25). Antíoco achou pouco ser um grande rei, quis fazer-se deus, por isso mandou fabricar moedas que tinha sua efígie. Além disso, destacou-se por ser um rei tirano (Dn. 8.9,10), um grande perseguidor do povo de Deus. Ele teve a audácia de profanar o templo do Deus de Israel, primeiramente se opondo a todos aqueles que considerassem o livro da Lei. Em 169 a. C., saqueou o templo e proibiu os sacrifício. O templo de Jerusalém foi denominado de Templo de Júpiter Olímpico. Ele colocou sua imagem no lugar santíssimo e determinou que um porco fosse sacrificado naquele lugar. Como se isso não bastasse, obrigou os judeus a comerem a carne do porco, dentro daquele recinto.

CONCLUSÃO
A apostasia de Antíoco Epifánio aponta para o fim, o tempo no qual o anticristo imperará na terra (II Ts. 2.3,4). A igreja do Senhor Jesus não passará por esse momento sombrio, pois estará nos ares, celebrando as bodas com o Noivo. A grande esperança da igreja é o dia no qual a trombeta soará, os mortos ressuscitarão primeiro, e os que estiverem vivos serão transladados (I Ts. 5.13-18). Essas palavras servem de conforto para a igreja, e para todos aqueles que amam a vinda do Senhor (II Tm. 4.8).

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. Daniel. São Paulo: Hagnos, 2005.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

18 de novembro de 2014

Lição 08

OS IMPÉRIOS MUNDIAIS E O REINO DO MESSIAS
Texto Áureo Dn. 7.27 – Leitura Bíblica Dn. 7.3-14



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
O capítulo 7 de Daniel inicia a segunda parte do livro, com ênfase nos detalhes proféticos. Essa característica faz com que alguns estudiosos identifiquem esse como o Apocalipse do Antigo Testamento. Esse capítulo pode ser dividido em duas partes: os versículos de 1 a 14 que tratam a respeito do sonho de Daniel, e do 15 ao 28, a interpretação do sonho. No início da aula nos voltaremos para a análise dos impérios mundiais, com destaque para a figura do anticristo, e ao final, estudaremos sobre o reino do Messias.

1. OS IMPÉRIOS MUNDIAIS
Os reinos do mundo não são independentes, os impérios mundiais estão debaixo da soberania de Deus (Dn. 7.2,3). Os quatro ventos, ao longo da Bíblia, retratam a totalidade da terra, o alcance mundial. Principalmente nos dias atuais, marcados pela globalização, os quatro cantos da terra se tornaram um. Os reinos se levantam e demonstram sua potência aos todos os lugares. A mídia se encarrega de fazer a divulgação dos feitos dos impérios, a propaganda é utilizada como arma para a dominação. O mar é símbolo dos povos, que se encontra em convulsão, diante dos impasses dos governos humanos. Deus permite que os governos humanos prevaleçam, mas não apoia suas decisões, principalmente àquelas que prejudicam seus servos. Impérios se levantam e caem, nenhum deles permanece para sempre, essa inconstância é uma demonstração de fragilidade. Os impérios mundiais são demonstrados através de quatro animais, que se encontram em paralelo com o capítulo 2 do livro de Daniel. Neste capítulo nos deparamos com os impérios e seu esplendor, enquanto que no capítulo 7 o enfoque está em aspecto interno, como feras. Esses governos não são ovelhas, mas animais selvagens, que não agem em prol do bem das pessoas, funcionam como governos que devoram as pessoas. Os animais apresentados nessa visão de Daniel sobem do mar, de maneira sucessiva e simultânea. Eles têm características recorrentes: surgem de baixo, são animais ferozes, serão destruídos no futuro, seu tempo é determinado por Deus (Dn. 7.12). Os quatro animais são: o leão (império babilônico), o urso (império medo-persa), o leopardo (império grego-macedônio) e o animal de dez chifres (império romano).

2. OS IMPERIOS MUNDIAIS E A REVELAÇÃO DO ANTICRISTO
O leão é o rei dos animais, sua força é notória, é um símbolo da grandeza do império babilônico (Dn. 4.32). O leopardo alado revela a velocidade e agilidade do império de Alexandre Magno, que em 334, após um período de 10 anos, tornou-se soberano entre as nações. Ele foi educado por Aristóteles, por isso difundiu a cultura grega, principalmente o idioma entre os povos conquistados. Mas morreu subitamente em 324 a. C., na Babilônia, seu reino foi dividido em quatro cabeças. A glória do império grego-macedônio passou, outra prova dos limites dos reinos humanos. Deus está no comando, os reinos do mundo tem liberdade, mas seus dias estão contados. Em Dn. 7.7, nos deparamos com um animal terrível, extremamente forte, símbolo do império romano. A principal característica desse animal é a sua força, e o seu poder, com capacidade destruidora. Esse animal possuía grandes dentes de ferro, e com eles devorava e estraçalhava a todos. Ele revela ser insensível com suas vítimas, as consome sem qualquer pena (Dn. 7.23). Tal animal estranho tem dez chifres, sendo identificados como dez reis (Dn. 7.24). É uma descrição nítida do império romano, que em 241 derrotaram os cartagineses e ocuparam a ilha da Sicília. Em 218 a. C., as legiões romanas entraram na Espanha, em 202 a. C., conquistaram Cartago. Em 146 a. C., tomaram Corinto, e em 63 a. C., Pompeu ocupou a Palestina. Ao longo de dois séculos, o império romano experimentou glória, fama e poder. Mas em 476, os bárbaros venceram o império romano, até que em 1453 d. C., os turcos ocuparam a cidade de Constantinopla, findando o império romano no Ocidente. Em seguida Daniel revela a figura do anticristo (Dn. 7.8), tratando-o como uma pessoa, o “pequeno chifre”, seu número é o 666 (Ap. 13.18). João o denomina de O mentiroso (I Jo. 2.22), o anticristo (I Jo. 2.18), a besta (Ap. 13.1). Para Paulo, ele é o homem da iniquidade (II Ts. 2.3), o iníquo (II Ts. 2.8), o filho da perdição (II Ts. 2.3). Para Jesus, o anticristo é o abominável da desolação (Mt. 24.15-28).

3. O REINO DO MESSIAS
A origem do anticristo é satânica, pois ele receberá autoridade do próprio Satanás. Esse pequeno chifre tem uma relação com o animal terrível, na verdade surge dele. Ele será pequeno apenas no início (Dn. 7.8), depois irá crescendo paulatinamente (Dn. 7.20). Isso porque o anticristo terá a pretensão de ser Deus (II Ts. 2.3,4). Ele agirá com ódio a Deus, sua boca falará grandes coisas (Dn. 7.8,20), proferirá palavras contra o Altíssimo (Dn. 7.25), tratará de mudar os tempos e a leis (Dn. 7.25). O anticristo será um perseguidor, pois fará guerra contra os santos de Deus, e prevalecerá contra eles (Dn. 7.21), magoará os santos do Altíssimo (Dn. 7.25), e esses serão entregues nas mãos dele (Dn. 7.25). Mas o governo do anticristo também terá seu fim, seu domínio é limitado (Dn. 7.25). O domínio será tirado dos quatro reis e também do anticristo (Dn. 726). Ele será destruído pelo fogo (Dn. 7.11), na verdade, será lançado no lago do fogo (Ap. 19.20). Isso acontecerá por ocasião da vinda de Cristo, como Rei dos reis e Senhor dos senhores, ao final dos sete anos de tribulação (II Ts. 2.8). Finalmente o Reino de Cristo será consumado em plenitude (Dn. 7.13,14). Cristo já reina, mas esse reino é limitado, acontece apenas entre aqueles que creem. Mas no futuro, quando Ele retornar com poder e grande glória, Seu reino será universal (Dn. 7.14). Todas as nações, povos e línguas O reconhecerão e O servirão (Dn. 7.14). Diante dEle todo joelho se dobrará, toda língua confessará que Jesus é o Senhor (Fp. 2.9-11) para sempre (Dn. 7.14). O governo de Cristo será partilhado com os santos (Dn. 7.18,22,27).

CONCLUSÃO
Daniel ficou impactado com os acontecimentos que viriam a acontecer (Dn. 7.14,15). Nós, os cristãos, temos motivos celebrar, ao reconhecer que os ditames do mundo estão nas mãos de Deus. O rosto de Daniel empalideceu (Dn. 7.28), nós também podemos nos espantar, mas com confiança, disposto a enfrentar os poderes do mal, cientes que, ao Seu tempo, o Senhor julgará todos os reinos da terra. Os inimigos que oprimem o povo de Deus serão julgados, e o reino do Messias durará para sempre.

BIBLIOGRAFIA
LOPES, H. D. Daniel. São Paulo: Hagnos, 2005.
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.

9 de novembro de 2014

Lição 07

INTEGRIDADE EM TEMPOS DE CRISE
Texto Áureo Dn. 6.4 – Leitura Bíblica Dn. 6.3-20



Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na lição de hoje nos voltaremos para a integridade de Daniel em tempos de crise. Por causa da sua fidelidade, o profeta do Senhor fora lançado na cova dos leões, mesmo assim não fez concessões em relação a sua fé. Inicialmente destacaremos o desafio de viver em integridade, mesmo quando as situações são desfavoráveis. Ressaltaremos a necessidade de uma vida íntegra, especialmente quando somos postos diante da possibilidade de corromper e/ou de ser corrompido.  

1. DESAFIO À INTEGRIDADE
A integridade é uma virtude, e diz respeito à inteireza de caráter. Dizemos que alguém é integro quando é coerente, não se mostra dividido. Há menção na Bíblia de um homem chamado Jó, que era íntegro e reto, e que se desviava do mal (Jó. 1.1,2). Viver em integridade é um desafio porque podemos ser moldados pela cultura na qual nos encontramos. Por isso Paulo escreve aos Romanos, advertindo-os para que não se coadunem à forma do mundo (Rm. 12.1,2). O desafio está posto, ou nos moldamos ao mundo, conforme seu modo de pensar e agir, ou experimentamos a vontade de Deus, que é perfeita, boa e agradável. O mundo jaz no Maligno, e é inimigo de Deus, ninguém pode agradar a Deus e ao mundo ao mesmo tempo (I Jo. 2.14; Tg. 4.4). O mundo é inimigo de Deus porque se opõe aos Seus valores, as propostas do mundo se enquadram dentro do relativismo, contrário à Palavra de Deus. Daniel, Hananias, Mizael e Azarias estiverem na Babilônia, e experimentaram o desafio de viver com integridade, no contexto de uma terra estranha. Devemos lembrar, como cristãos, que somos cidadãos da terra e do céu. Como cidadãos da terra, devemos agir com moderação, em respeito as autoridades, com direitos e obrigações (Rm. 13.1). As autoridades são dignas de respeito, mas não são soberanas, suas posições estão abaixo das determinações divinas (At. 5.25-29).  Quando os governantes impuserem valores anticristãos à sociedade, devemos optar pela Palavra, isso porque estamos debaixo do senhorio de Cristo (Mt. 28.18). Uma vida de integridade é manifesta em submissão, na obediência Àquele que é verdadeiramente o Rei dos reis e Senhor dos senhores (Ap. 19.16). Há uma tendência ao liberalismo moral na sociedade, e descaso em relação aos problemas sociais, mas nós não devemos pactuar com esse pensamento. A vida dos cristãos está fundamentada em valores eternos, cuja expressão é Deus, que vive para sempre.

2. EM TEMPOS DE CRISE POLÍTICA
Daniel foi desafiado pela política aculturalista do império babilônico, a corrupção grassava naquele solo (Dn. 5). O rei Nabucodonosor era um tirano, que centralizava o poder, e mantinha as pessoas debaixo do seu jugo (Dn. 4). A política tende à centralização, os governantes querem se perpetuar no poder. A soberba é uma característica recorrente entre os políticos, principalmente àqueles que não reconhecem seu papel social. A mudança de governo, dos babilônicos para os medo-persas, não modificou o quadro de corrupção. Isso mostra que todos os governantes podem ser picados pela “mosca azul”. O poderio econômico também exerce influência sobre esses, que preferem satisfazer o mercado, que o elegeu ao invés de buscar satisfazer os necessitados. Determinadas críticas que são feitas entre os políticos soam como hipocrisia, alguns censuram seus opositores pela corrupção, sendo culpados das mesmas atitudes. A crise política pela qual Daniel passou não é muito diferente das que nos deparamos na sociedade. Temos a necessidade inclusive de uma reforma política no Brasil, o processo democrático, respeitando suas limitações, cumpre seu papel, mas precisa ser aprimorado. Os políticos que entram no governo, até mesmo os evangélicos, ficam tolhidos pelas amarras do sistema. De vez em quando são propagados casos de corrupção, inclusive entre aqueles que se dizem evangélicos. Mas nem tudo está perdido, existem aqueles que tal como Daniel não se misturam, permanecem íntegros mesmo quando são perseguidos (Dn. 6.4-5). Na política dos homens também existem os desafetos, que buscam oportunidade para condenaram os que servem a Deus. Esses são os bajuladores do governo, que querem tirar vantagem, perseguindo os que são fieis a Deus (Dn. 5.6-9). A vida de Daniel é uma demonstração de integridade, mesmo quando proibido de orar, buscou seu quarto e se voltou para a presença de Deus (Dn. 6.10).

3. FIDELIDADE A DEUS
Daniel preferiu morrer a fazer concessões em relação a sua fé no Deus vivo e verdadeiro. Dario, por causa do seu amor à bajulação, tornou-se escravo das suas leis. Assim acontece nos dias atuais, leis e mais leis são criadas, algumas delas injustas, para oprimir os mais pobres (Is. 10.1). Essas leis são humanas, resultantes da história, e das perspectivas modernas, podem ou não ter respaldo bíblico. O rei não podia contrariar suas próprias leis, por isso foi obrigado a colocar Daniel na cova com os leões. A arma de Daniel não foi material, ele não quis fazer uma revolução, antes se entregou à oração (Dn. 6.10,11). A oração precisa ser mais valorizada neste tempo de pragmatismo, em que as pessoas fazem mais do que oram. A ação é imprescindível, não devemos deixar de fazer o que nos compete, mas precisamos aprender a também depender de Deus. Daniel orava três vezes ao dia, talvez em consonância com o salmista (Sl. 55.17), seguindo uma disciplina espiritual. Em observância à palavra de Salomão, em I Rs. 8.46-49, se voltava constantemente em direção à Jerusalém, para buscar a presença do Senhor. Nem sempre a oração nos livra de problemas, às vezes serve para nos dar a força necessária para enfrentá-los. A fidelidade de Daniel foi reconhecida por Deus, Ele defende nossa causa perante os inimigos (Dn. 6.24). Como diz o próprio nome do profeta, Deus é nosso juiz, a maldade cairá sobre os inimigos (Dn. 6.24). A exaltação vem de Deus, é bem verdade que nem sempre ela acontece no plano terreno (Dn. 6.28). Mas aqueles que se humilham debaixo da potente mão de Deus são exaltados em tempo oportuno (Lc. 14.11). O próprio nome de Deus é glorificado quando mantemos nossa integridade (Dn. 6.26,27). A vida dos servos de Deus precisa ser um arauto, uma pregação não apenas por meio de palavras, mas, sobretudo, pelo testemunho de vida.

CONCLUSÃO
É nos tempos de crise que demonstramos com maior firmeza nossa convicção e fidelidade a Deus. Existe um discurso repetido, inclusive entre os evangélicos, que os cristãos não podem ser perseguidos. Mas essa mensagem não se coaduna com a revelação bíblica, Jesus nos advertiu que no mundo teríamos aflições (Jo. 16.33), e Paulo chama atenção quanto a verdade que todos aqueles que seguem a Cristo padecerão perseguição (II Tm. 3.12). Em tempos de paz ou de crise, somos chamados para viver em integridade, firmes e constantes, sempre abundantes, sabendo que no Senhor nosso trabalho não é vão (I Co. 15.58).

BIBLIOGRAFIA
WEIRSBE, W. W. Be resolute: Daniel. David Cook: Ontario, 2008.
WHITECOMB, J. C. Daniel. Moody Press, Chicago, 1985.