21 de abril de 2014

Lição 04



DONS DE PODER
Texto Áureo I Co. 2.4,5  – Leitura Bíblica I Co. 12.4-11

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Os dons de poder são classificados dentro dessa categoria porque estão relacionados à manifestação de curas e milagres, através de uma fé sobrenatural. Como é peculiar dos milagres, dizem respeito à realização de maravilhas, cuja causa é Deus, que tem todo poder sobre a natureza, sendo Ele mesmo Seu Criador. Na aula de hoje aprenderemos sobre os seguintes dons de poder com base em I Co. 12.4,9,11: dom de fé, dons de curar e dom de operação de maravilhas.

1. O DOM DE FÉ
A fé, de acordo com o  autor da Epístola aos hebreus, “é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem” (Hb. 11.1), e vai mais além, afirma que “sem fé é impossível agradar a Deus” (v. 6). Mas essa fé (gr. pistis) não é a fé enquanto dom, trata-se da fé enquanto aspecto do fruto do Espírito. Em Gl. 5.22, essa fé é traduzida em algumas versões como fidelidade. É uma segurança plena em Deus, mesmo diante das situações mais adversas. De modo que Moisés abandonou o Egito e não ficou amedrontado com a cólera do rei; antes permaneceu firme como quem vê Aquele que é invisível (Hb. 11.27). Essa fé também deve ser diferenciada daquela para a salvação, tendo em vista que a fé vem pelo ouvir, pela Palavra de Deus (Rm. 10.17; Ef. 2.8). A fé denominada salvífica opera para a salvação, que resulta em uma confiança na suficiência do sacrifício de Cristo (Jo. 3.16). Ainda existe a fé como conjunto de crenças, a doutrina defendida pela igreja, a ortodoxia que se diferencia da heterodoxia (I Tm. 1.19; II Tm. 2.18). A fé como dom é uma operação sobrenatural, geralmente instantânea, com vistas à operação de alguma cura ou milagre. Quando o crente recebe essa fé, tudo se torna possível, grandes coisas podem acontecer (Mc. 9.23). Essa fé independe da atuação humana, pois é totalmente dependente de Deus. Em alguma circunstância, quando Deus quer operar, Ele libera uma porção de fé sobre o cristão. Quando isso acontece, os cristãos são instrumentalizados com poder, para alterar o curso natural da realidade (Mt. 14.30; Lc. 17.3-6). Foi com essa fé que Jesus ressuscitou Lázaro (Jo. 11) e libertou a filha de uma mulher Cananéia (Mt. 15.22-28). Existe uma relação muito próxima entre a fé dom e a cura (Mt. 9.22). Jesus ressaltou, em várias ocasiões, que a fé de uma determinada pessoa resultou em cura (Mt. 8.13; 9.26-29; Mc. 5.34). Paulo também observou essa fé miraculosa, através da qual Deus fez que um paralítico andasse (At. 14.8-10).  É esse tipo de fé pela qual devemos orar, pedindo a Deus, a fim de que possamos fazer proezas para Deus (Lc. 17.3-5).

2. DONS DE CURAR
Os dons de curar (gr. charismata iamaton) são apresentados no plural no Novo Testamento grego, ressaltando, assim, que se trata de uma diversidade, mesmo entre as possiblidades de curas. Não podemos esquecer que o Espírito distribui os dons como lhe apraz. Por conseguinte, nem todos recebem os dons, e mesmo entre os que recebem os dons de cura, esse não sana todas as enfermidades. Por isso não é apropriado o crente afirmar que possui o dom de curar, pois, na verdade, o que acontece é o uso de Deus, para a cura de determinadas enfermidades. Jesus curou muitas pessoas pelo dom do Espírito Santo, mas não curou a todos e nem todas as enfermidades (Mt. 20.30-34), um exemplo disso é a cura do paralítico próximo ao tanque de Betesda (Jo. 5.1-9). A cura do corpo precisa ser percebida dentro de uma perspectiva teológica mais ampla, que envolve a glorificação do corpo, que se dará no futuro, na dimensão escatológica (I Co. 15.51-54). Ela aponta também para o passado, quando Cristo, na cruz, carregou nossas transgressões (Is. 53.4,5). Mateus, em seu relato evangélico, reafirma essa doutrina, reconhecendo que Jesus tomou as nossas enfermidades e carregou com as nossas doenças (Mt. 8.16,17). Para evitar equívocos e extremos em relação às doenças e enfermidades, e não as associarmos com os pecados das pessoas, tal como fizeram alguns discípulos de Jesus (Jo. 9.1,2), precisamos saber que estamos em mundo caído (Rm. 5.12). Por essa razão estamos sujeitos às enfermidades, como qualquer pessoa que habita essa terra. Existem casos de doenças decorrentes do pecado (Tg. 5.14-16), mas não podemos fazer generalizações, tal como os amigos de Jó, afirmando que ele adoeceu por causa do pecado, tal pensamento foi repreendido por Deus (Jó. 42.7). Há também enfermidades causadas por operações malignas, mas isso também não é regra geral (Lc. 13.16; At. 10.38). Em termos práticos, o dom de cura pode ser manifesto por meio da oração da pessoa enferma, dos membros da igreja (Tg. 5.16), e pela imposição de mãos (Mc. 16.18). Reafirmamos, como temos feito ao longo destes estudos, que os dons de curar nada têm a ver com técnicas medicinais. Por outro lado não devemos nos apor à intervenção médica, o próprio Jesus ressaltou a importância dos médicos para os doentes (Mc. 2.17). Ninguém deve ser estimulado a abandonar um tratamento médico sem que a cura seja clinicamente atestada. Esse cuidado evita frustrações posteriores, principalmente escândalos dentro e fora da igreja. Ao mesmo tempo, enquanto oramos pelos enfermos, entregando-os nas mãos de Deus, para serem curados, assumimos, com fé, que Jesus é o mesmo ontem, hoje e para sempre (Hb. 13.8).

3. DOM DE OPERAÇÃO DE MARAVILHAS
O dom de operação de maravilhas (gr. energemata dynameon) está relacionado à operação de milagres. Este, por sua vez, é um evento ou efeito no mundo físico, que não se coaduna às leis da natureza ou que sobrepuja o conhecimento de tais leis. Os milagres de Jesus chamavam a atenção daqueles que os testemunhavam (Mt. 9.33; Mc. 4.41). O Senhor enviou Pedro ao mar, para fisgar um peixe, e ao abri-lo, em conformidade com a palavra, retirou uma moeda da boca do peixe (Mt. 17.27). Paulo também foi usado por Deus para realizar maravilhas, as enfermidades fugiam das suas vítimas e os espíritos malignos se retiravam das pessoas oprimidas (At. 19.11,12). Os milagres são sinais, eles apontam para o caráter messiânico de Cristo, para demonstrar que Ele é o Senhor, principalmente o Salvador da humanidade. Os milagres não são espetáculos, não devem ser usados para ganhar dinheiro, muito menos para fazer publicidade. O objetivo central dos milagres é a glorificação de Deus, no Seu filho Jesus Cristo (Jo. 14.12,13). ). Lucas testemunha que o ministério de Cristo foi aprovado por Deus com milagres, prodígios e sinais (At. 2.22). Quando os milagres apontam para Cristo, as pessoas glorificam a Ele, se voltam para adorá-LO, reconhecendo-O como Senhor e Salvador (Lc. 19.37). Os missionários experimentam com poder a operação de maravilhas, os sinais tendem a acompanhar aqueles que se dedicam à evangelização (Mc. 16.15,16). Por isso Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários (At. 19.11). Os milagres, durante a vida ministerial, comprovam que o Pai está em Cristo, e que Cristo está conosco (Jo. 10.38). O espanto decorrente dos milagres pode servir para que as pessoas se voltem para Deus (Mc. 7.37), assim ocorreu quando Jesus ressuscitou o filho da viúva de Naim (Lc. 7.11-16). Muitos creram no Senhor por meio dos milagres realizados pelos apóstolos (At. 9.32-32). A pregação do reino de Deus deve anteceder a ministração da cura, nunca o contrário como fazem alguns pregadores televisivos (Mt. 10.7,8).

CONCLUSÃO
A igreja evangélica precisa despertar para o valor desses dons de poder: fé para realizar milagres, dons de curar para libertar os enfermos e operações de maravilhas. Todos esses dons têm como objetivo precípuo a adoração a Deus, glorificar o Filho, Jesus Cristo, por meio de quem realizamos proezas para Deus, também nos dias atuais (Jo. 14.12). Para tanto, devemos pedir ao Senhor uma fé sobrenatural, a fim de que possamos realizar grandes coisas para Deus.

BIBLIOGRAFIA
PRINCE, D. The gifts of the Holy Spirit: . New Kensigton: Whitaker House, 2007.
STORMS, S. Dons espirituais: uma introdução bíblica, teológica e pastoral. Rio de Janeiro: AnnoDomini, 2014.

14 de abril de 2014

Lição 03



DONS DE REVELAÇÃO
Texto Áureo I Co. 14.26  – Leitura Bíblica I Co. 12.8-10; At. 6.8-10

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Os dons de revelação são classificados dentro dessa terminologia porque estão relacionados ao conhecimento. Mas tal ciência não depende de atributos meramente humanos, ditos naturais, mas de Deus, que sobrenaturalmente, descortina o desconhecido. Na aula de hoje aprenderemos sobre os seguintes dons de revelação, conforme listados por Paulo em I Co. 12.8-11: palavra de sabedoria, palavra de conhecimento (ciência) e discernimento de espíritos.

1. PALAVRA DE SABEDORIA
Existem diferentes tipos de sabedoria, a sabedoria satânica, geralmente empregada para o engano, com propósitos malignos. A principal característica da sabedoria satânica é a inveja, e o sentimento faccioso, que resulta na desunião (Tg. 3.14-16). Satanás teve a pretensão de ser maior do que Deus, e de competir com Ele em posição (Ez. 28.12-17). Depois que Deus colocou Adão e Eva no jardim, Satanás semeou a dúvida no coração dos primeiros pais (Gn. 3.1), e os conduziu para a queda (Gn. 3.4,5). Existe também a sabedoria humana, resultante da investigação, na verdade, a sabedoria se distingue do conhecimento. Este se caracteriza pelo acúmulo de informações, enquanto que aquele diz respeito à aplicação apropriada do conhecimento. É nesse sentido que os autores de Provérbios encaminham seus leitores à obediência, no temor do Senhor, como princípio da sabedoria (Pv. 4.7). É essa mesma sabedoria que Tiago diz que Deus dá a todos aqueles que O pedirem, e a buscam (Tg. 1.5). O dom de sabedoria (gr. logos sophia), na instrução de Paulo aos coríntios, é uma manifestação por meio da qual Deus responde, através dos lábios do crente, a uma necessidade de orientação, que não pode ser realizada pelos meios naturais. A liderança da igreja pode conduzir o rebanho com a sabedoria que vem do alto, para solucionar um problema, tal como aquele que resultou na escolha dos diáconos para o serviço na igreja (At. 6.1-3,10). Por isso esse dom é manifesto através de uma palavra, isto é, de uma expressão, que nos é intuída, sobrenaturalmente, diante de um acontecimento e/ou interrogação. As respostas que Jesus deu aos seus opositores, durante seu ministério público, exemplificam a manifestação desse dom. Aos ser interrogado pela mulher samaritana, a respeito do lugar correto para a adoração, Jesus responde que os verdadeiros adoradores são buscados por Deus, e que esses o fazem em espírito e em verdade (Jo. 4.24). Existem várias passagens, ao longo dos evangelhos em que Jesus se utiliza da palavra de sabedoria: 1) pedido de partilha da herança ao irmão (Lc. 12.13); 2) indagação sobre a validade do batismo de João (Mt. 21.25); 3) questão a respeito do pagamento de tributo a Cezar (Mt. 22.21). e 4) debate sobre a ressurreição dos mortos (Mt. 22.32). Deus pode usar os irmãos da igreja para responder às perguntas de crentes e descrentes diante de situações adversas, assim como fez com Filipe, quando questionado pelo Eunuco, a respeito da salvação (At. 8.26-30).

2. PALAVRA DE CONHECIMENTO
Esse dom diz respeito à ciência, ao conhecimento de algo em ocorrência, ou que está para acontecer. Trata-se de uma manifestação de consciência que não poderia ser sabida pelas vias naturais, por meio de investigação ou pesquisa. Esse conhecimento não é educacional, resultado de estudos, nem mesmo o bíblico. Evidentemente não devemos nos opor à análise do texto bíblico, uma exegese apropriada evita equívocos interpretativos, e o surgimento de heresias no seio da igreja. Afinal Deus é a fonte do conhecimento espiritual, ninguém pode saber quem Ele é a menos que Ele mesmo queira se revelar (I Co. 2.4; 13.9). Quando estamos estudando a Bíblia, considerando os princípios de interpretação, dependendo do Espírito Santo, estamos conhecendo o que nos foi revelado na Palavra, que é inspirada pelo mesmo Espírito (II Tm. 3.16). Mas o dom da palavra do conhecimento (gr. logos gnoseos) é uma expressão instantânea resultante de uma revelação do Espírito (I Co. 12.8). Devemos partir do pressuposto que Deus é onisciente, que por esse motivo Ele conhece todas as coisas. É possível identificar exemplos no ministério de Jesus da manifestação da palavra de conhecimento. Ele tinha revelação de fatos que estavam ainda por acontecer, não precisava que alguém lhe dissesse determinados assuntos, nem mesmo a respeito das pessoas (Jo. 2.25). Jesus conhecia seus discípulos, por isso revelou-lhes que Lázaro estava doente, mas que tal enfermidade não seria para morte (Jo. 11.4-11). Os discípulos questionaram a respeito da Sua morte, mas Ele sabia, desde o princípio, que se fazia necessário padecer, morrendo e ressuscitando dentre os mortos (Mt. 16.21). Antes da páscoa Jesus enviou Seus discípulos a uma aldeia, a fim de trazerem um jumentinho, no qual adentraria a cidade de Jerusalém (Mt. 21.2). Ele os enviou também para prepararem o lugar da páscoa, dando orientações a respeito, que fora encontrada tal como Ele os dissera (Lc. 22.8-13). Quando Jesus encontrou Pedro, identificou-o como um futuro pescador de homens (Lc. 5.8-10; Jo. 1.42). Também se expressou em relação a Natanael como um homem em que não havia dolo (Jo. 1.47). Na conversa com a mulher samaritana, Ele revelou que ela tinha cinco maridos e o que tinha naquele momento não lhe pertencia (Jo. 4.18,18). Antes de ser crucificado, após ter sido preso pelas autoridades, Jesus antecipou a Pedro que este o trairia (Lc. 22.34). Como Cristo decidiu esvaziar-se da Sua glória (Fp. 2.7), não da divindade, fez a opção de depender do Espírito Santo em Seu ministério terreno, atuando através da capacitação do Espírito Santo (Lc. 4.1,18).

3. DISCERNIMENTO DE ESPÍRITOS
O dom de discernimento de espírito é uma capacitação sobrenatural, dada pelo Espírito Santo, para identificar manifestações que não procedem de Deus. Nada tem a ver com o julgamento humano, partindo de critérios analíticos, fundamentados na psicologia. Há quem pense que o dom de discernimento de espírito serve para identificar as falhas dos outros, ou que é uma antecipação do pensamento alheio, com base em técnicas humanas e/ou satânicas. O dom de discernimento de espíritos (gr. diakrisis pneumaton) é uma habilitação sobrenatural que permite a identificação da natureza e do caráter dos espíritos. Não podemos esquecer que Satanás pode se transformar em anjo de luz, para difundir o engano inclusive dentro da igreja (II Co. 11.14). Estamos diante de uma batalha espiritual, portanto, precisamos estar preparados, inicialmente com toda armadura de Deus, para vencer as hostes celestiais do Maligno (Ef. 6.11,12). Para tanto devemos cingir os lombos com a verdade, vestir a couraça da justiça, calçar os pés com a preparação do evangelho da paz, o escudo da fé, o capacete da salvação e a espada do Espírito (Ef. 6.13-17). Precisamos, para vencer as hostes satânicas, permanecer atentos quanto ao “espírito que agora atua nos filhos da desobediência” (Ef. 2.2). E saber que o espírito do Anticristo, está presente no mundo (I Jo. 4.1-3). Existem manifestações desse dom no ministério de Cristo, Ele revelava que seus opositores agiam pelo espírito do Diabo (Lc. 13.11-16), que algumas enfermidades eram provenientes de opressão maligna (Mt. 12.22; Mc. 9.25; Lc. 8.29). Paulo, que foi usado pelo Espírito para revelar que havia um espírito de adivinhação em uma jovem em Filipos (At. 16.16-18), admoesta os crentes, através de Epístola a Timóteo, quanto às falsas doutrinas dos últimos dias (I Tm. 4.1). O engano na igreja pode ser identificado através do ensinamento bíblico, por isso Paulo instrui Timóteo a ensinar (I Tm. 4.11). Mas em alguns casos, de modo sobrenatural e instantâneo, o Espírito Santo pode capacitar a igreja a identificar uma atuação enganosa. Isso evita que a igreja seja conduzida ao erro, e se deixe levar pelo ensino dos falsos mestres, que querem desvirtuar o rebanho de Deus (At. 20.30).

CONCLUSÃO
Os dons de revelação são imprescindíveis para a igreja cristã, por meio deles somos capacitados, sobrenaturalmente pelo Espírito Santo, para responder às indagações que nos são postas, através dos opositores da fé. Esse mesmo Espírito também pode nos capacitar para conhecer realidades que não poderíamos pelas vias naturais. Isso importante para demonstrar, para os descrentes, que Deus conhece todas as coisas. Por fim, o Espírito Santo, em algumas circunstâncias, pode dar aos crentes a capacitação para identificar o engano, evitando, assim, que sejamos desencaminhados pelos falsos mestres, que são guiados por Satanás e suas hostes celestiais.

BIBLIOGRAFIA
SOUZA. E. A. de. Nos domínios do Espírito. Rio de Janeiro: CPAD, 1987.
WIGGLESWORTH, S. On spiritual gifts. New Kensisington: Whiteker House, 1998.

7 de abril de 2014

Lição 02



O PROPÓSITO DOS DONS ESPIRITUAIS
Texto Áureo I Co. 4.12  – Leitura Bíblica I Co. 12.8-11; 13.1,2

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Dando prosseguimento ao estudo dos dons, na aula de hoje atentaremos para o propósito dos dons, com ênfase nos espirituais. Inicialmente contextualizaremos os dons na igreja de Corinto, para a qual Paulo destinou a Epístola em foco. Em seguida, mostraremos que essa era uma igreja que, embora tivesse muitos dons, caracterizava-se pela carnalidade. Ao final ressaltaremos o propósito dos dons espirituais, tomando por base a orientação de Paulo aos coríntios, bastante apropriadas para os dias atuais.

1. A IGREJA DE CORINTO
A Igreja de Corinto se vangloriava dos dons espirituais, recebendo o testemunho de Paulo que não faltava tais manifestações entre eles (I Co. 1.7). Corinto era uma cidade da antiga Grécia, uma metrópole nos tempos de Paulo. Em virtude da influência helenista, era berço da filosofia antiga, por conseguinte, intelectualmente arrogante. Por ser uma cidade próspera, enfatizava a busca pelos recursos materiais, e ao mesmo tempo, entregava-se à promiscuidade. Paulo fundou a igreja de Corinto juntamente com Prisca e Áquila (At. 16.19), e sua equipe missionária (At. 18.5). O Apóstolo dos gentios permaneceu naquela localidade por dezoito meses, durante sua segunda viagem missionária (At. 18.1-17). Tratava-se de uma igreja mista, composta por judeus e gentios, alguns deles provenientes do paganismo. A Primeira Epístola aos Coríntios, na qual Paulo abordou com propriedade os dons espirituais, foi escrita durante seu ministério em Éfeso (At. 20.31), na sua terceira viagem missionária (At. 18.23 – 21.16). Durante sua estada em Éfeso Paulo tomou conhecimentos dos vários problemas pelos quais passava a igreja de Corinto (I Co. 1.11), em seguida um grupo de irmãos entregou uma carta a Paulo, reportando as dificuldades encontradas, e solicitando auxílio do apóstolo para a resolução dos problemas (I Co. 16.17). Mesmo sendo uma igreja fervorosa, ou seja, que tinham dons espirituais, também tinha forte propensão à carnalidade (I Co. 3.1-3), isso revela que uma igreja que tem os dons do Espírito não necessariamente é espiritual. Isso acontece porque a evidência de espiritualidade não está nos dons, mas no amor (I Co. 13), mais propriamente na produção do fruto do Espírito (Gl. 5.22). Dentre os problemas de Corinto destacamos: divisão e partidarismo (I Co. 1.10-13; 11.17-22), tolerância de pecado até mesmo do incesto (I Co. 5.1-13), imoralidade sexual generalizada (I Co. 6.12-20), disputas judiciais entre os cristãos (I Co. 6.1-11), liberalismo em relação ao pecado (I Co. 8.10), comportamentos inadequados no casamento (I Co. 7) e escândalos no culto público, bem como na celebração da Ceia (I Co. 11,12 e 14).

2. OS DONS ESPIRITUAIS EM CORINTO
Dentre os problemas de Corinto, o uso inadequado dos dons espirituais é um dos principais, Paulo dedica boa parte da I Epístola a dar esclarecimentos a esse respeito. Os coríntios não compreendiam o propósito dos dons espirituais na igreja, por isso o apóstolo os instrui para que não sejam ignorantes (I Co. 12.1). Esses dons (pneumática) não deveriam servir para a ostentação, eram chamismata, portanto uma graça de Deus, para desempenhar determinados ministérios, com vistas ao que fosse útil (I Co. 12.7). Havia uma tendência ao individualismo na igreja de Corinto, a preocupação com os outros deveria ter proeminência. Por isso Paulo admoesta os crentes à busca dos dons, isto é, ele não proíbe que os use, contanto que seja com decência e ordem (I Co. 14.40). O culto não deveria ser uma bagunça, as manifestações do Espírito deveriam ser ordenadas. Além disso, o objetivo do culto deveria ser glorificar a Cristo (I Co. 12.3), os dons não podem ser um fim em si mesmo. Os dons podem e devem ser buscados, mas tendo em mente que existem dons superiores, e que tal gradação depende da funcionalidade, e mais precisamente da utilidade. Quanto mais útil for o dom, mais importante será, por isso quem profetiza tem preeminência diante daquele que fala línguas, a menos que haja quem interprete (I Co. 12.31; 14.28). O critério da alteridade é importante na manifestação dos dons espirituais. Se considerarmos esse ensinamento, nos preocuparemos menos conosco e mais com os outros. É justamente por esse motivo que o fruto do Espírito tem prioridade sobre os dons do Espírito. A igreja cristã não precisa fazer opção ou pelos dons ou pelo fruto, há lugar tanto para um quanto para o outro. A demonstração de maturidade de uma igreja está na demonstração tanto dos dons quanto do fruto. O caminho sobremodo excelente é o do amor-agape (I Co. 12.31), somente em amor os dons espirituais cumprem seu propósito (I Co. 14.1). Sem o amor-agape de nada adianta falar as línguas dos anjos e dos homens, ter o dom de profecia, conhecer todos os mistérios e toda ciência (I Co. 13.1,2). O amor-agape, diferentemente da carnalidade egoísta, se caracteriza pela disposição para sofrer pelo outro, benignidade, e tratamento não leviano. Além disso, quem tem o amor-agape não é soberbo, não se porta com indecência, não é invejoso, não busca seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não folga com a injustiça, mas folga com a verdade, tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta (I Co. 13).

3. O PROPÓSITO DOS DONS
É no contexto do amor-agape, com sua marca sacrificial, que os dons espirituais encontram seu real propósito, podem ser manifestos de acordo com a vontade do Espírito (I Co. 12.11), de acordo com as necessidades, e ao mesmo tempo, o interesse dos crentes (I Co. 12.31). Por isso os dons espirituais não dependem da santificação do crente, é possível que um crente seja carnal e mesmo assim manifeste algum dom (Gl. 5.22,23). É preciso esclarecer também que existem crentes nas igrejas que podem manifestar certa regularidade em um dom, mesmo assim eles não podem pensar que são proprietários dos dons. Isso porque os dons são do próprio Espírito Santo, sendo distribuídos à igreja, a fim de cumprir propósitos específicos. Os crentes também podem buscar mais de um dom, essa inclusive é uma recomendação paulina (I Co. 14.1). Mas dificilmente alguém terá todos os dons, mesmo aqueles apresentados em I Co. 12, tendo em vista que o Espírito opera na diversidade, visando à unidade (I Co. 12.5). Os dons do Espírito Santo visam: 1) manifestar a graça, o poder, e o amor do Espírito entre o povo, nas reuniões públicas, nos lares, nas famílias e nas atividades pessoais (I Co. 12.4-7; 14.25); 2) ajudar a tornar eficaz a pregação do evangelho aos perdidos, confirmando de modo sobrenatural a mensagem do evangelho (Mc. 16.15-20; At. 14.8-18); 3) suprir as necessidades humanas, fortalecer e edificar espiritualmente, tanto a congregação (I Co. 12.7,14-30), como os crentes individualmente (I Co. 14.4); 4) batalhar com eficácia na guerra espiritual contra as hostes satânicas (At. 8.5-7; 26.18). Os dons espirituais devem ser utilizados na comunidade de fé, isto é, na igreja para a edificação uns dos outros (I Co. 12.25). Os dons são disponibilizados pelo Espírito para edificar (gr. oikodomeo), ou seja, fortalecer a vida espiritual da igreja (I Co. 14.26).

CONCLUSÃO
Os dons do Espírito Santo estão disponíveis para a igreja contemporânea, por isso devemos buscar todos os dons, e mais precisamente os melhores, aqueles que edificam os outros. Uma igreja madura não despreza os dons espirituais, sabe que eles são úteis para o fortalecimento da fé. Mas os crentes precisam equilibrar os dons com o fruto, pois de nada adianta uma igreja fervorosa, com muitos dons, mas que não cultiva o fruto do Espírito. Devemos buscar com zelo os melhores dons, principalmente profetizar, mas sem esquecer-se do caminho sobremodo excelente, o amor-agape (I Co. 12.31; 13.1-7).

BIBLIOGRAFIA
OLIVEIRA, F. H. T. de. O batismo no Espírito Santo e os dons espirituais. Mossoró: Queima-Bucha, 2013.
STAMPS, D. Bíblia de Estudo Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 1995.

31 de março de 2014

Lição 01



E DEU DONS AOS HOMENS
Texto Áureo Ef. 4.8 – Leitura Bíblica Rm. 12.3-8; I Co. 12.4-7

Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Ao longo deste trimestre estudaremos os dons espirituais e ministeriais, uma oportunidade ímpar para conhecer os dons que Deus disponibiliza para o serviço cristão. Na aula de hoje apresentaremos os dons espirituais (charismata/pneumatikon) e ministeriais (diakonia). Mas antes, destacaremos os doadores: o Espírito Santo e Jesus Cristo. Ao final, mostraremos a necessidade de que homens e mulheres sejam capacitados para o serviço, e que isso acontece por meio desses dons que são disponibilizados por Deus.

1. E ELE DEU
Há um equívoco entre os cristãos evangélicos, mas propriamente entre os pentecostais. Alguns acreditam que são proprietários dos dons, ou seja, donos deles, mas os dons são de Deus, disponibilizados para a igreja.  Ele é o Doador, que concede, aos homens, para o serviço cristão no Corpo de Cristo. Outro equívoco é o de pensar que os dons são para dar status eclesiástico àqueles que os utiliza. Na verdade os dons são funcionais, ou melhor, têm serventia para cumprir um proposito, mais especificamente a edificação da igreja (Ef. 4.12-16). Há também o equívoco de pensar que os dons espirituais são dispensados por méritos pessoais. Ninguém é usado por Deus, através dos dons espirituais ou ministeriais, porque é digno (Rm. 12.6; I Pe. 4.10), não podemos esquecer que fomos salvos pela graça de Deus (Ef. 4.9,10). Os dons procedem de Deus, Ele é a fonte dos dons, tanto os espirituais (charismata/penumatikon) quanto os ministeriais (diakonia). A distribuição dos dons é um trabalho da Trindade, o Pai enviou Cristo, e depois o Espírito Santo (Jo. 14.6; 20.21). A concessão dos dons espirituais e ministeriais vem de Deus, sendo que existem os dons do Espírito (I Co. 12.4-7), e os dons de Cristo (Ef.4.11). É importante destacar que há mais de nove dons espirituais, não apenas aqueles listados por Paulo em I Co. 12.8-11. Em Rm. 12.3-8 encontramos uma lista, diferente daquela exposta na I Epístola aos Coríntios, no capítulo 12, são eles: profecia, ministério, ministração, ensino, exortação, partilha, presidência e misericórdia. Esses dons, de acordo com o texto, são todos provenientes de Deus. Os dons, grosso modo, partem de Deus para a igreja, a fim de constituir uma unidade na diversidade (Rm. 12.5). A dispensação dos dons, tanto os espirituais quanto ministeriais, é de Deus, mas há também participação humana. No texto de Rm. 12.3-8, Paulo instrui os crentes a desenvolverem os dons. Diferentemente dos dons de I Co. 12.8-11, que têm caráter mais instantâneo, e aspecto notadamente sobrenatural.

2. DONS ESPIRITUAIS E MINISTERIAIS
Há diferentes palavras para dons em hebraico, destacamos: berekah, minhah, korban e teruma. Berekah é geralmente traduzida por benção, e diz respeito aos pronunciamentos de coisas boas em relação a outros (I Sm. 25.27; II Rs. 5.15-18). A palavra minhah traz o significado de oferta, geralmente entregue como parte do culto. Korban também significa oferta ou dádiva, trata-se de um dos termos mais gerais no hebraico para a oferta. Teruma pode ser traduzido como oferta, porção, dom ou contribuição. O verbo dar é natan em hebraico, que comunica a ação de entregar algo a alguém (Lv. 26.4; Dt. 11.14). No grego do Novo Testamento, temos as palavras doreá, no sentido de dádiva, sendo Cristo a maior dádiva de Deus (II Co. 9.15; Rm. 5.15; Ef. 3.4). O próprio Espírito Santo é uma dádiva de Deus, depois que o pecador se arrepende dos seus pecados (At. 2.38; 8.20; 10.45; 11.17). O termo dóron também transmite o significado de dádiva, relacionado especificamente às ofertas a Deus (Mt. 5.23,24; Lc. 21.1-4). Outra palavra grega associada às dádivas é eleemosuné, de conotação mais social, relacionada à contribuição aos necessitados (Mt. 6.2; Lc. 11.41; At. 9.36; 10.2). Palavras de bênçãos também podem ser pronunciadas na Nova Aliança, são as eulogias, cujo significado é o de expressar nosso desejo de que Deus abençoe os outros. A palavra charisma, em grego, está associada aos dons do Espírito Santo (I Co. 12). Mas tem uma dimensão mais ampla, tendo em vista que Timóteo recebeu um charisma, quando lhe impuseram as mãos, um dom para o exercício ministerial (I Tm. 4.14; II Tm. 1.6). Dentre os charisma que Paulo recebeu, destacamos o do celibato, tratando-se, portanto, de uma capacitação de Deus, não de uma imposição humana (I Co. 7.7). As palavras gregas relacionadas aos dons espirituais são charismata e pneumatikon, o primeiro diz respeito aos aspectos da graça na capacitação dos dons, e o segundo, ressalta o Espírito Santo como a fonte dos dons (I Co. 12.11).

3. AOS HOMENS
Os dons espirituais e ministeriais foram destinados aos homens e mulheres da igreja, com vistas ao serviço (diakonia), e mais especificamente, à edificação do Corpo de Cristo. Os dons espirituais e ministeriais não devem ser ignorados, é necessário que os membros da igreja se interessem por eles, mas é preciso usá-los com equilíbrio (I Co. 12.1). Os homens e mulheres de Deus, quando usados pelo Espírito, através dos dons, devem exercitá-los com responsabilidade, sobretudo com zelo e amor (I Pe. 5.2,3). Há igrejas ditas pentecostais que estão se distanciando dos dons espirituais, algumas delas sequer ensinam a respeito do batismo no Espírito Santo, bem como a buscar os dos dons espirituais. Uma pesquisa feita recentemente nos Estados Unidos constatou que cada vez mais pentecostais estão falando menos em línguas. Se uma pesquisa desse tipo for feita no Brasil talvez o resultado não seja diferente. Os pentecostais estão se envergonhando dos fundamentos da sua fé. O batismo no Espírito Santo, como virtude de poder, para testemunhar de Cristo, precisa ser resgatado (At. 1.8). Os dons espirituais também devem ser estimulados, não devemos proibir os membros da igreja de buscá-los (I Co. 14.9), a responsabilidade pastoral é a de instrui-los à utilização, com decência e ordem (I Co. 14.40). Todos devem buscar os dons, visando sempre o outro, a valorização de um dom, repousa justamente na capacidade de edificação dos membros (I Co. 12.31; 14.1). Os dons, tanto espirituais quanto ministeriais, devem ser exercidos em amor, considerando que esse – agape - é o caminho sobremodo excelente (I Co. 13). Muitos dons, sem amor, e mais apropriadamente, sem o fruto (Gl. 5.22), pode resultar em desequilíbrio espiritual. A igreja de Corinto era muito fervorosa, mas deficiente na espiritualidade, com demonstração de carnalidade, implicando nas dissenções no seio da igreja (I Co. 3.3-5).

CONCLUSÃO
Os dons espirituais e ministeriais são fundamentais para o desenvolvimento espiritual das igrejas locais. Os membros do Corpo de Cristo devem desejar e buscar os dons, para a edificação (I Co. 12.31; 14.1). Os dons espirituais de I Co. 12.8-10) se caracterizam por serem instantâneos, enquanto que os dons de Rm. 12.6-8, e de Ef. 4.11 são desenvolvidos ao longo de um processo. Teologicamente os dons espirituais, com base na lista de I Co. 12.8-10, são categorizados assim: 1) Sabedoria: palavra de sabedoria, palavra de conhecimento e discernimento de espírito; 2) Poder: fé, curas e operação de maravilhas; e 3) Elocução: profecia, variedade de línguas e interpretação de línguas. Busquemos, pois, os melhores dons, mas sem esquecer-se de cultivar o amor cristão. Em relação aos dons ministeriais, conforme Ef. 4.11, são: 1) apóstolos, 2) profetas, 3) evangelistas, 4) pastores e mestres, todos para o aperfeiçoamento dos santos. Oramos para que não nos falte dom algum, até o dia da manifestação em glória do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo (I Co. 1.7).

BIBLIOGRAFIA
BARBOSA, J. R. A. Assembleia de Deus: em que cremos. Mossoró: Queima-Bucha, 2012.
OLIVEIRA, R. F. de. A doutrina pentecostal hoje. Rio de Janeiro: CPAD,1983.