19 de maio de 2017

Lição 08

ABGAIL, UM CARÁTER CONCILIADOR
Texto Áureo Pv. 15.1 – Leitura Bíblica  I Sm. 25.28-28


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito de uma mulheres mais importantes da Bíblia, ainda que nem sempre esta seja lembrada. Abgail, conforme veremos na lição, deixou sua marca na história do povo de Israel. Muito embora tenha sofrido bastante, por viver com um homem cujo nome era Nabal, não deixou de tomar atitudes acertadas, e de se mostrar conciliadora. O exemplo de Abgail inspira a todos nós, para que também venhamos a desenvolver o ministério da reconciliação.

1. ABGAIL, UMA MULHER SOFREDORA
Abgail foi uma mulher sofredora, pois fora desposada por um homem tolo, cujo nome revelava seu caráter: Nabal. Ele era um proprietário de terra, um fazendeiro avarento, que a ninguém prestava benefícios. Eles habitavam nas proximidades do Carmelo, próximo ao deserto de Parã, em uma cidade chamada Maom. Os pastores de Davi se aproximaram dos de Nabal, demonstrando a necessidade de alimento. O próprio Davi buscou comida para seus soldados famintos com Nabal. Mas ao invés de demonstrar sensibilidade, Nabal preferiu ficar irada, e se irritar com a solicitação de Davi. A condição de Abgail, conforme depreendemos dessa narrativa, não era fácil, pois seu marido, ao que tudo indica, era um homem colérico. E mais, certamente deve ter encontrado suas justificativas para não ajudar ao rei. Se avaliarmos na perspectiva da propriedade privada, é bem possível que fiquemos do lado de Nabal. Afinal, a riqueza ela dele, exclusivamente dele, e ele não teria obrigação de ajudar. É muito comum as pessoas acharem que o acúmulo de propriedade é normal, e que esse não demanda qualquer responsabilidade. Mas Nabal se revelou um insensato, talvez como aquele louco a quem Jesus se referiu na parábola, que colocou seus bens acima do valor da sua alma (Lc. 12.20,21). As pessoas que colocam as propriedades em primeiro plano correm o risco de se dobrarem diante de Mamom (Mt. 6.24). Nabal, ainda que fosse um homem poderoso, que tinha “três mil ovelhas e cabras” (I Sm. 25.2), era malvado e suas atitudes certamente causavam sofrimento para Abgail. Como essa, muitas mulheres sofrem abusos de maridos maldosos, alguns deles chegam ao cúmulo de espancarem suas esposas.

2. ABGAIL, UMA MULHER DE CARÁTER
Por causa das palavras duras de Nabal contra Davi, este decidiu ir até aquele homem, a fim de responder àquela afronta. Davi conduziu seu exército, composto de quatrocentos homens, com o propósito de atacar Nabal (I Sm. 25.22). Evidentemente, não podemos apoiar a atitude de Davi, pois esse estava abusando da sua autoridade. Aqueles que estão em posição de governo não podem utilizar essa prerrogativa para perseguir as pessoas. Os gestores públicos têm a responsabilidade de buscarem o melhor para o bem-estar comum. Mas infelizmente não é isso que acontece, muitos se utilizam dos seus cargos para se locupletarem, e buscarem enriquecimento ilícito. E o pior, por causa desses excessos, os direitos fundamentais dos trabalhadores ficam comprometidos. A saúde, educação e segurança pública, por causa desses desmandos, não funcionam. Abgail representa as mulheres sensatas, que têm caráter e buscam fazer o que é certo. Diante da ameaça na qual se encontrava o seu marido, resolveu agir com prudência, e com diligência e sabedoria, se antecipou e foi até Davi. Naquele momento difícil, Abgail revelou competência para administrar conflitos. Existem cristãos que não agem da mesma forma, eles preferem incitar a discórdia e a contenda, ao invés de investir na pacificação. Não podemos esquecer que devemos cultivar a paz, enquanto virtude do fruto do Espírito (Gl. 5.22). É Deus quem julga, e o foi o que aconteceu com Nabal, por causa da sua intemperança, ficou doente e morreu (I Sm. 25.37). Muitas pessoas trazem sobre si dores por causa da ganância, como bem lembrou Paulo, “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males” (I Tm. 6.6-10).

3. ABGAIL, UMA MULHER CONCILIADORA
O exemplo de Abgail deve ser seguido pelos cristãos dos tempos atuais, considerando que fomos chamados para o ministério da reconciliação (II Co. 5.18). Os cristãos devem viver a partir do genuíno amor cristão. Para tanto, devem, se possível, buscar viver em paz com todos (Hb. 12.14). Paulo destaca, em sua Epístola aos Filipenses, o caso de duas irmãs da igreja que se desentenderam (Fp. 4.2). O Apóstolo roga para que elas vivam em paz, e que cultivem o entendimento. Os cristãos precisam aprender a conviver e a administrar suas diferenças, sobretudo nesses dias atuais. O objetivo primordial da igreja é a promoção da paz, essa deve exceder “todo o entendimento”, que, ao mesmo tempo “guardará vosso coração e a vossa mente em Cristo” (Fp. 4.7). Como o rei Saul, há crentes que insistem em alimentar contendas, e mais perseguem as pessoas, mesmo que não estejam com razão. A humildade deve ser a marca registrada de todo cristão. Ao invés de semear a discórdia, os cristãos deveriam proporcionar a paz, como se costuma dizer: ao invés de construir muros, é mais produtivo edificar pontes. Existem vários exemplos bíblicos, além do de Abgail, que nos ensinam a resolver conflitos interpessoais. Um dos mais conhecidos é o de Abraão e seu sobrinho Ló, no qual o patriarca demonstra sabedoria ao lidar com a situação, e espírito de desprendimento (Gn. 13.5-18). Como cristãos, devemos lembrar sempre que fomos salvos para viver em unidade, e para viver como um corpo (Ef. 4.16). Uma das formas de evitar conflitos, é tratando sempre os outros como se esses fossem superiores (Fp. 2.3). O exercício do perdão, uma marca do cristão, pode evitar ressentimentos, e doenças que podem destruir o corpo e a alma (Pv. 15.1).

CONCLUSÃO
Abgail, em um momento bastante tenso da sua vida, mostrou que a mulher sábia edifica a sua casa (Pv. 14.1). A fim de preservar sua casa, diante da fúria de Davi, contra seu esposo, ela preferiu se antecipar, e mostrar espírito de conciliação. O exemplo dessa mulher deve ser seguido, a fim de não nos tornamos instrumentos de contenda, essa que é, conforme Gn. 5.17, uma das obras da carne. Andemos, pois, no Espírito, com amor, paz e mansidão, demonstramos que seguimos a Cristo, o modelo maior de conciliação.

BIBLIOGRAFIA
LIMA, E. R. de. O caráter do cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
WEIRSBE, W. W. Be succefull: 1 Samuel. Colorado Springs: David C. Cook, 2010.