30 de maio de 2017

Lição 10

MARIA, IRMÃ DE LÁZARO, UMA DEVOÇÃO AMOROSA
Texto Áureo Jo. 12.3  – Leitura Bíblica: Jo. 12.1-11


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito de Maria, uma das irmãs de Lázaro, que habitava em Betânia. Nesta lição nos voltaremos para a vida dessa mulher que nos legou o exemplo de devoção, e de desprendimento ao Senhor Jesus. Inicialmente faremos uma comparação sobre as atitudes das duas irmãs, Marta e Maria, em relação a Cristo. Em seguida, destacaremos a atitude de liberalidade de Marta, ao lavar os pés do Mestre, e enxugá-los com seus cabelos. Ao final, refletiremos sobre a necessidade de cultivar a devoção de Maria, em um mundo conturbado, como o de Marta.

1. MARTA E MARIA, IRMÃS DE LÁZARO
Marta e Maria eram irmãs de Lázaro, um amigo do Senhor, que residia em Betânia, uma aldeia que distava a três quilômetros de Jerusalém, na estrada que leva a Jericó. Ao que tudo indica, sempre que Jesus por ali passava, aproveitava a oportunidade para ficar na casa de Lázaro. Em uma dessas vezes, conforme relato de Lucas, Maria se pôs aos pés do Mestre, a fim de ouvir Seus ensinamentos. O evangelista narra que Maria estava absorta diante daquelas verdades, o mesmo não aconteceu com Marta, que estava bastante atarefada. Lucas diz que “Marta, porém, andava distraída em muitos serviços e, aproximando-se, disse: Senhor, não te importas que minha irmã me deixe servir só? Dize-lhe, pois, que me ajude (Lc. 10.40). É compreensível que Marta estivesse ocupada, pois os discípulos de Jesus ali estavam, e todos deveriam participar da refeição. Não que a tarefa que ela estava desenvolvendo não tivesse importância, mas o tempo para o que ela estava fazendo, e a prioridade que lhe dava, não era adequada. Muitas vezes estávamos envoltos pelo ativismo eclesiástico, fazemos muitos trabalhos para a obra de Deus, mas não para o Deus da obra. Marta pensou mesmo que estivesse correta, pois pediu ao Senhor que censurasse Maria. Mas Jesus sabia que esta havia escolhido “a boa parte, a qual não lhe será tirada” (Lc. 10.41,42). Como diz o sábio de Eclesiastes, há tempo para todo propósito debaixo do céu, e não podemos desprezar as oportunidades de estar aos pés de Jesus. Às vezes, estamos por demais atarefados, e sob a justificativa do trabalho, não temos mais tempo para orar, e meditar na Palavra de Deus. Precisamos avaliar nossas prioridades, e considerar se estamos desprezando o exercício da piedade (I Tm. 4.8).

2. MARIA, A MULHER QUE UNGIU OS PÉS DE JESUS
Além de ser uma mulher piedosa, Maria demonstrou também liberalidade, ao se desfazer de um vaso de nardo puro, despejando-o nos pés do Senhor, e enxugando-os com seus cabelos (Jo. 1.21,2). Certa feita, provavelmente na casa de Lázaro, “fizeram-lhe, pois, ali uma ceia, e Marta servia, e Lázaro era um dos que estavam à mesa com ele” (Jo. 12.2). Maria tomou uma decisão de desprendimento, “tomando uma livra de unguento de nardo puro, de muito preço, ungiu os pés de Jesus e enxugou-lhe os pés com os seus cabelos; e encheu-se a casa do cheiro do unguento” (Jo. 12.3). Certamente aquela mulher estava antecipando a morte do Senhor, reconhecendo que Ele viria a ser sacrificado. Aquele perfumo custava cerca de “trezentos denários”, um valor altíssimo para a época, equivalendo a vários meses de trabalho. Isso nos inspira à consagração dos nossos bens para o reino de Deus. Os bens materiais não devem servir apenas aos nossos interesses pessoais. Mas é preciso também ter cuidado com a assistência social hipócrita. Há pessoas que, como Judas Iscariotes, querem “ajudar os pobres”, a fim de tirarem proveito “do dinheiro”, que pode ser desviado para fins pessoais. Existem muitos judas traindo o país, pessoas que com um discurso da assistência social, estão surrupiando o dinheiro público, que deveria ser investido em saúde, educação e segurança. Jesus atenta não apenas para os atos, mas para as intenções daqueles que agem. Em uma sociedade midiática, há muitos que estão fazendo apenas para aparecer, por isso o Mestre advertiu: “Tu, porém, quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda, o que faz a direita” (Mt. 6.3). Boas ações, que são propaladas aos quatro ventos, geralmente têm intenções escusas, por isso não agradam a Deus.

3. A DEVOÇÃO DE MARIA, EM UM MUNDO DE MARTA
A vida devota de Maria, e sua liberalidade, devem motivar a todos os cristãos, principalmente na sinceridade das ações. Vivemos em um mundo que enseja a hipocrisia, e que está contaminado pela autojustiça, e sentimento de ostentação. Precisamos ter cuidado com o fermento dos fariseus (Lc. 12.1). As igrejas evangélicas estão repletas de pessoas que não têm compromisso com o reino de Deus. Há aqueles que aderem às igrejas evangélicas, mas não ao evangelho de Jesus Cristo. Elas querem apenas tirar proveito dos cristãos, assim como pensou Judas, diante da atitude de Maria. Como esta mulher piedosa, devemos nos aproximar cada vez mais de Cristo, e não nos deixar controlar pela preocupação, e ansiedade dos tempos modernos (Mt. 6.24,25). Algumas pessoas transformaram o dinheiro em um Deus, se prostram com facilidade diante de Mamom, e profanam por causa dele o nome do Senhor. Não podemos esquecer que o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males, por isso devemos aprender a viver contentes (I Tm. 6.6-10). Como bem destacou o Senhor, em uma das suas preciosas lições: de que adianta ganhar o mundo inteiro, e perder a alma pela ganância desenfreada? (Mt. 8.36). O cristianismo ocidental foi cooptado pelo materialismo naturalizado pela sociedade, de tal modo que muitos cristãos estão consumindo suas vidas, agindo a partir da cosmovisão de Marta. Há aqueles que correm tanto que não têm mais tempo para Deus. Ganhar dinheiro, em muitos casos, é a principal motivação da existência. Essas pessoas não sabem o que é desfrutar da presença de Cristo, não conseguem ficar aos seus pés, e parar para ouvir suas palavras.

CONCLUSÃO
Vivemos em um mundo conturbado, o frenesi da modernidade está levando muitos à angústia, e por fim, ao desespero. Precisamos tomar cuidados para não nos deixar controlar pelos “muitos serviços” que nos são impostos, principalmente nessa sociedade tecnológica. Quase não encontramos mais tempo para Deus, e já não sabemos mais o que significa desfrutar da Sua presença. Que Deus nos guarde da inversão de prioridades, que saibamos, como Maria,  valorizar os momentos com Jesus.

BIBLIOGRAFIA
LIMA, E. R. de. O caráter do cristão. Rio de Janeiro: CPAD, 2017.
WEAVER, J. Como ter o coração de Maria em mundo de Marta. Rio de Janeiro: CPAD, 2014.

Nenhum comentário: