5 de fevereiro de 2019

Lição 06


QUEM DOMINA A SUA MENTE
Texto Áureo: Fp. 2.5  – Leitura Bíblica: Fp 4.4-9

INTRODUÇÃO
A mente é um campo de batalha, Satanás busca ter o controle das nossas emoções, a fim de nos levar a pensar em coisas negativas. Na aula de hoje, estudaremos Fp. 4.4-9, um texto bíblico no qual Paulo nos instrui não vivermos inquietos, antes a confiar em Deus. E mais importante, a necessidade de preencher nossas mentes com tudo o que agrada a Deus, sobretudo o que é verdadeiro, honesto, justo, puro, amável, de boa fama, e também, meditando no que aprendemos a respeito de Cristo.

1. ANÁLISE TEXTUAL
A Epístola aos Filipenses foi escrita por Paulo por volta do ano 62 d. C, com o objetivo de instruir os irmãos daquela cidade a viverem em alegria – a palavra grega chara ocorre várias vezes nessa carta. No texto em foco, o Apóstolo inicia conclamando os irmãos a se alegrarem – chairete, um imperativo ativo. Essa charis deve ser no Senhor – en kuriô, e mais ainda deve, deve ser sempre – pantote, em todo tempo. E isso é tão importante que Paulo repete: chairete (v. 4). Ele deseja que a equidade – epiekes, razoabilidade – seja notória, essa palavra tem a ver com o bom senso, a capacidade de discernir entre o que é certo e o errado. E essa não apenas entre os membros da igreja de Cristo, mas também entre todos os homens, partindo da premissa que he kurios engus – perto está o Senhor (v. 5). A consciência da presença de Cristo deve nos motivar a agir em conformidade com a fé que defendemos. Por isso, não deveriam estar inquietos – merimnate – cuidadosos, preocupados – com coisa alguma. Paulo apresenta uma alternativa à ansiedade, a oração: apresentar vossas petições – aitema – que essas sejam conhecidas diante de Deus, com oração – proseuche – e súplicas – dêesei, sem esquecer das ações de graça – eucharistias (v.6). Fazendo assim, Paulo diz que a paz – eirene – que excede todo entendimento – guardará os vossos corações – kardias, o centro das emoções para o mundo greco-romano, e para ser mais específico, também vossos sentimentos – noemata, mente e pensamentos – em Cristo Jesus (v. 7). E quanto ao mais, o que deve está na mente dos irmãos é o que é verdadeiro – alethe, real, tudo o que é honesto – semna – digno de honra e respeito, tudo o que é justo – dikaia, correto, tudo o que é  puro – hagna, inocente, tudo o que é amável – prosphile, que possa ser amado, e tudo o que é de boa fama – euphema, digno de louvor, e se há alguma virtude – arete, coisa excelente, diz o Apóstolo, nisto pensai – logizesthe, imperativo, com ideia de raciocinar, refletir a respeito. A base dessa reflexão é o que aprendestes – emathete, estudastes, recebestes – parelabete, tomastes, e o ouvistes – ekousate, com atenção e compreensão, e isso fazei – prassete, cumprir, se comportar, assim o Deus de paz – eirenes – será convosco.

2. INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
A fé cristã não tem uma relação direta com a felicidade, o maior anseio da sociedade contemporânea, propalando pelos vendedores de sucesso. A promessa de Cristo é alegria – chara – a qual é produzida em nós pelo Espírito Santo (Gl. 5.22). Ao mesmo tempo, precisamos também nos alegrar, ou buscar a alegria da salvação. Essa alegria precisa nos acompanhar em todas circunstâncias, ainda que estejamos em momentos de adversidade. A vida em comunidade deve ser pautada pela equidade, ou mais precisamente, pelo bom senso, a fim de que as pessoas não busquem apenas o que é melhor para elas mesmas, mas também para os outros. A volta do Senhor está muito próxima, e esse deve ser um dos motivos para uma vida em unidade, fundamentada na genuína comunhão cristã. Não podemos esquecer que o Senhor retornará como Juiz, e que haverá de avaliar as nossas obras (Tg. 5.9), ainda que não saibamos quando isso irá acontecer (II Pe. 3.1-13). As palavras de Paulo, em relação a uma vida moderada, que não se deixa conduzir pela ansiedade, encontra eco nos ensinamentos de Jesus, quanto às solicitudes da vida (Mt. 6.25-34). A confiança em Deus é aprendida, como resultado de uma comunhão contínua, dependendo dEle em todas as circunstâncias. O melhor a fazer, como demonstração dessa confiança, é ser grato a Deus, e aprender a desfrutar de tudo aquilo que Ele nos provê. O contentamento é um excelente antídoto contra a ansiedade, é um estilo de vida alternativo contra tudo aquilo que tira nossa atenção das coisas de Deus. Precisamos reconhecer que existe uma batalha espiritual na mente, e que essa precisa ser vencida, para tanto devemos pensar em coisas que edificam, tudo aquilo que é nobre e agradável. Mas somente pensar não é suficiente, devemos também colocar em prática o que aprendemos, desde que as fontes sejam confiáveis, e o mais importante, estejam fundamentadas na Palavra de Deus.

3. APLICAÇÃO TEXTUAL
Os pastores mais antigos costumavam dizer que “mente desocupada é oficina de Satanás”. Somos pessoas que podem ser afetadas pela cultura na qual estamos inseridos. Como esponjas, podemos absorver tudo aquilo que se encontra ao nosso redor. É preciso ter cuidado para não se deixar levar por coisas que nos afastem de Deus, e que roubem nossa verdadeiro eu, cuja identidade se encontra em Deus. Somente Ele sabe o que é melhor para cada um de nós, por isso devemos ter cuidado para nos preocupar demasiadamente. Ao invés de nós pre-ocupar com as coisas que nos distraem do que é de cima, devemos nos ocupar com o Deus que está no comando de todas as circunstâncias (Cl. 3.1). Existem muitos cristãos que estão com a mente afetada por pensamentos negativos porque se interessam apenas por práticas que não edificam. A internet e a televisão têm afastado muitos crentes do seu foco, principalmente quando se trata de sensacionalismo, ou mesmo de informações equivocadas. Há uma indústria de fake news – notícias falsas – nos dias atuais, causando terrorismo psicológico, sendo também uma ferramenta para manipular as pessoas. Ao invés de ficar pensando nessas coisas, e de ficar preocupado com as ameaças que nos chegam, sejam elas reais ou fictícias, devemos alimentar nossa mente com a Palavra de Deus. A leitura diária da Bíblia, e dos bons livros cristãos, associados a uma vida de oração, é fundamental para ter saúde espiritual. Isso porque nossa espiritualidade pode ser atingida pela mente, se ficarmos muito tempo pensando negativamente, isso irá afetar diretamente nosso pensamento. Ao acordar, bem cedo pela manhã, devemos ler a Bíblia, fazer uma oração, a mesma atitude deve ser observada a noite, antes de dormir. Assistir televisão ou ficar na internet pode causar danos, não apenas ao corpo e a mente, mas também à vida espiritual. Ouvir músicas edificantes, ou mesmo textos bíblicos gravados, é uma alternativa viável, para que mantenhamos nossa mente nos Senhor.

CONCLUSÃO
O cristão, para ser identificado como tal, precisa ter a mente de Cristo (I Co. 2.16), e isso acontece através da meditação na Sua Palavra. Cristo em nós deve ser o alvo de todo crente sincero, e isso acontece na medida que O imitamos. Jesus estava sempre centrado no Pai, e quando se sentia ameaçado pela multidão, ia para o deserto, a fim de orar e meditar. Não podemos fugir do real, muito menos das responsabilidades, mas precisamos, sempre que possível, buscar refrigério na presença de Deus.

BIBLIOGRAFIA
BORGMAN, B., VENTURA, R. Spiritual warfare. Grand Rapids: RHB, 2014.
STEDMAN, R. C. Batalha espiritual. São Paulo: Abba Press, 1995.